Catastróficas, Alterações da Personalidade e

Alteração da Personalidade
As Alterações Permanentes da Personalidade estão classificadas como F62 na CID.10. Um transtorno da personalidade e do comportamento adulto que se desenvolve após estresse catastrófico ou excessivamente prolongado, ou após várias doenças psiquiátricas graves num indivíduo sem transtorno de personalidade prévia.

Há uma mudança definitiva e permanente no padrão individual de perceber, relacionar-se com o mundo e consigo próprio. A mudança de personalidade é associada com comportamento inflexível e mal-adaptativo que não estava presente antes da experiência patogênica e não é uma manifestação de outro transtomo i mental nem um sintoma residual de qualquer transtorno mental precedente.

ALTERAÇÕES PERMANENTES DA PERSONALIDADE APÓS EXPERIÉNCIA CATASTRÓFICA (F62.0)
Caracterizam-se por uma atitude hostil ou desconfiada em relação ao mundo, isolamento social, sentimento de inutilidade (vazio) ou desesperança e vm sentimento crônico de estar "no limite", como se estivesse constantemente ameaçado. As alterações estão presentes por pelo menos dois anos e o estresse é tão extremo que é desnecessário considerar a vulnerabilidade pessoal para explicar seu profundo efeito sobre a personalidade.

Os estressores típicos mais relacionados à essas alterações de personalidade incluem experiências em campos de concentração, desastres, cativeiro prolongado com iminente possibilidade de ser morto e exposição prolongada a sitvações de risco de vida tal como ser vítima de terrorismo e de tortura.

ALTERAÇÕES PERMANENTES DA PERSONALIDADE DEPOIS DE DOENÇA PSIOUIÁTRICA
1) Essas alterações de personalidade se caracterizam por uma dependência excessiva e uma atitude exigente em relação aos outros, e uma convicção de ter sido transformado ou estigmatizado pela doença precedente, que levam a:

a) uma incapacidade para estabelecer e manter relações pessoais próximas e isolamento social,
b) passividade,
c) redução de interesses e diminuição do envolvimento em atividades anteriormente prazerosas e apreciadas,
d) queixas persistentes de estar doente que podem ser associadas com queixas hipocondríacas e comportamento de ficar doente,
e) humor disfórico ou lábil não devido à presença de uma doença mental atual nem a transtorno mental anterior com sintomas afetivos residuais e
f) problemas importantes no funcionamento social e ocupacional. As alterações persistem por pelo menos dois anos e não podem ser explicadas nem por um transtorno da personalidade prévio nem como uma recuperação incompleta, ou residual de um transtorno mental antecedente.

Veja mais em Transtornos da Personalidade