Idéias absurdas e medo de ficar louco(a)

Alguns pensamentos são tão absurdos que a pessoa pensa estar ficando louca.
| Obsessões-Compulsões |


- Doutor, às vezes acho que estou ficando louco(a), tamanho absurdo que me vem à cabeça. Tenho medo de perder o controle.

Essa dúvida acomete grande número de pessoas que relutam até em contar a natureza de seus pensamentos, de tão estranhos que eles parecem. Existe uma fórmula muito simples capaz de tranqüilizar a maioria das pessoas: “quem tem medo de ficar louco não está louco”.

As idéias absurdas que vêm à cabeça são chamadas idéias obsessivas e, em um grau maior ou menor, todos nós as percebemos alguma vez na vida. Durante períodos em que experimentamos algum estado emocional mais alterado essas idéias obsessivas podem aumentar muito. Para saber se essas idéias recorrentes e absurdas devem ser tratadas leva-se em conta o grau de comprometimento que elas determinam na qualidade de vida da pessoa; interferência nas atividades cotidianas, produção de ansiedade importante, etc.

A simples ocorrência esporádica, ou durante um período da vida da pessoa, dessas idéias obsessivas não caracteriza um Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Trata-se, na maioria das vezes, de um sintoma indicativo de algum outro estado emocional alterado, tal como ansiedade, depressão, estresse pós-traumático, etc.

As Idéias Obsessivas, por definição são consideradas alterações do pensamento, mais precisamente, do conteúdo do pensamento. São pensamentos que se intrometem indesejavelmente em nossa consciência, aparecem de maneira insistente e repetitiva e são reconhecidas pela pessoa como incômodas e absurdas. Portanto, para que sejam Idéias Obsessivas é necessário serem involuntárias, persistentes, repetitivas e, finalmente, reconhecidas como absurdas pela própria pessoa, ou seja, ela deve ter crítica sobre o conteúdo ilógico de tais pensamentos.

Por definição, o pensamento obsessivo aparece na consciência persistentemente, com grande dificuldade de afastar-se dele por esforços voluntários e, conseqüentemente, dificultando o curso normal dos outros pensamentos, mesmo que a pessoa se dê conta de sua falta de fundamento, de lógica.

Essas Idéias Obsessivas estão tão enraizadas na consciência que não podem ser removidas simplesmente por um aconselhamento razoável, nem por livre decisão do paciente. Elas parecem ter existência própria e emancipada da vontade. Por não comprometerem o juízo crítico, os pacientes têm a exata noção do absurdo de seu conteúdo mental. Como foi dito, em maior ou menor grau as Idéias Obsessivas ocorrem em todas as pessoas, notadamente quando crianças.

As Idéias Obsessivas mais leves podem aparecer, por exemplo, como uma música conhecida que "não sai da cabeça", ou a idéia de que pode haver um bicho debaixo da cama, ou que o gás do fogão pode estar aberto apesar da lógica sugerir estar fechado. Em crianças aparecem como certo impedimento em pisar nos riscos da calçada, uma obrigatoriedade em contar as árvores da rua ou os carros que passam, etc. Estas idéias obrigatórias, quando exageradas geram significativa ansiedade ou sofrimento.

Outras vezes as Idéias Obsessivas podem ser mais incômodas além de absurdas, como o medo de perder o controle e ter algum eventual impulso suicida, como por exemplo, saltar da janela de edifícios, ou ser acometido subitamente por impulsos de agressão e ferir pessoas. Neste último caso a obsessão está justamente em acreditar que, diante de um mal estar súbito, perder o controle e executar impulsivamente aquilo que sugere tais idéias intrusas.

Algumas Idéias Obsessivas são mais bizarras ainda, assustando muito a pessoa que as experimenta. Há casos de pessoas que se sentem extremamente desconfortáveis quando estão próximas de objetos pontiagudos (facas, foices, tesouras, etc.), devido a idéia indesejável de que podem, repentinamente e misteriosamente, descontrolar-se e matar alguém ou ferir-se a si próprias.

Um paciente abreviou suas férias, assustado, porque ficava o tempo todo incomodado pensando que poderia descontrolar-se e se atirar da janela do apartamento onde se hospedara. É muito importante ressaltar que a ansiedade da pessoa com Idéias Obsessivas aumenta na proporção em que tem crítica sobre o absurdo de suas idéias e, mesmo assim, não consegue deixar de pensá-las. Desta feita, as Idéias Obsessivas são processos mentais de natureza forçada, involuntárias, impostas ao psiquismo, incômodas, as quais entram na mente contra uma resistência consciente da pessoa.

O pensamento obsessivo tem roteiro ou tema variadíssimo, de pessoa para pessoa. Como dissemos, vaso desde discretamente absurdos aos mais bizarros. Há pessoas que apresentam idéias invasivas de estarem mortas ou com partes de seu corpo mortas, outras pensam que seus cérebros podem começar a não obedecer a seus desejos e assim por diante (veja o quadro abaixo).

Algumas Idéias Obsessivas bizarras que podem fazer a pessoa pensar que está ficando louca

 - Às vezes acho que meu cérebro pode “se rebelar” e não obedecer ao que estou querendo que ele faça.

- Aquilo que estou fazendo não sou eu, mas meu cérebro.

- Posso perder o controle e ferir pessoas queridas.

- Se eu for um cachorro e não uma pessoa?

- Depois de ouvir um apresentador falar “não cobice o que não é seu” começo pensar se eu não roubei coisas dos outros. Será que não roubei o carro de minha vizinha?

- Tudo o que eu vejo, penso que eu poderia estar comendo: “vejo o sofá e me imagino comendo-o”.

- Acho que estou morto “por dentro”, estou vivo só por fora.

- Eu não sou quem eu acho que sou.

- Tenho alguma coisa diferente em mim que afasta todo mundo.

- Será que aquilo que vejo é mesmo aquilo que existe?

- Aquilo que fizeram comigo quando eu trabalhava no escritório X há 5 anos está sendo objeto de anedotas entre meus colegas.

- Meus colegas tentam me testar moralmente para ver se eu consigo me conter e não fazer “nada de errado”.

- Os números sempre querem dizer alguma coisa.

 

A própria idéia de morte iminente ou grave doença cardíaca, neurológica ou neoplásica que pode aparecer na Síndrome do Pânico ou nos transtornos de somatização não deixa de ter uma natureza obsessiva, uma vez que os pacientes “sabem”, na  intimidade de suas consciências, que isso é fruto de sua emoção mas não conseguem deixar de elaborar tais idéias.  

 Quadros psiquiátricos onde mais comumente encontramos Idéias Obsessivas.

- Transtorno do Espectro Obsessivo-Compulsivo (veja aqui)

- Ansiedade (seja na Fobia, na Síndrome do Pânico, Somatização ou Ansiedade Generalizada)

- Transtorno de Estresse Pós-Traumatico (veja aqui)

- Depressão Grave

 

No Transtorno de Estresse Pós-Traumático, que geralmente acontece depois de alguma experiência traumática (assaltos, acidentes de grandes proporções, guerra, etc.), faz parte do quadro a pessoa sentir-se invadida por pensamentos obsessivos sobre a possibilidade iminente da experiência se repetir a qualquer momento.

 

Algumas Idéias Obsessivas, principalmente aquelas conseqüentes aos estados depressivos (geralmente graves), podem refletir um componente psicodinâmico muito importante, como por exemplo, podem representar a manifestação simbólica de algum sentimento de culpa antigo. Nesses casos, além do tratamento psiquiátrico do problema emocional subjacente, por exemplo, da depressão e de estados ansiosos, será imprescindível também um tratamento psicológico.

 

 

 

para referir:
Ballone, GJ - Idéias absurdas e medo de ficar louco(a), in. PsiqWeb, Internet, disponível em http://www.psiqweb.med.br/, 2009. 

 




Busca




NEWSLETTER
Receba os boletins informativos do PsiqWeb no seu e-mail

Obsessões, Compulsões e Fobias
Obsessões são pensamentos ou idéias (p. ex. dúvidas), impulsos, imagens, cenas, que invadem a consciência de forma repetitiva, persistente e estereotipada seguidos ou não de rituais destinados a neutralizá-los. São experimentados como intrusivos, inapropriados ou estranhos pelo paciente em algum momento, ao longo do transtorno, causando ansiedade ou desconforto acentuados. A pessoa tenta resistir a eles, ignorá-los ou suprimi-los com ações ou com outros pensamentos, reconhecendo-os, no entanto, como produtos de sua mente e não como originados de fora. Não são simplesmente medos exagerados relacionados com problemas reais.

Compulsões são comportamentos repetitivos (p.ex.lavar as mãos, fazer verificações), ou atos mentais (rezar,contar, repetir palavras ou frases) que a pessoa é levada a executar em resposta a uma obsessão ou em virtude de regras que devem ser seguidas rigidamente. Os comportamentos ou atos mentais são destinados a prevenir ou reduzir o desconforto gerado pela obsessão, prevenir algum evento ou situação temidos e em geral não possuem uma conexão realística ou direta com o que pretendem evitar, ou são claramente excessivos .

A Fobia é um sentimento de medo que se intromete persistentemente no campo da consciência e se mantém aí independentemente do reconhecimento de seu caráter absurdo. A característica essencial da Fobia consiste num temor patológico que escapa à razão e resiste a qualquer espécie de objeção, temor este dirigido a um objeto (ou situação) específico .

A Fobia é um medo específico intenso o qual, na maioria das vezes, é projetado para o exterior através de manifestações próprias do organismo. Essas manifestações normalmente tocam ao sistema neurovegetativo, tais como: vertigens, pânico, palpitações, distúrbios gastrintestinais, sudorese e perda da consciência por lipotimia. As manifestações autossômicas externadas pela fobia têm lugar sempre que o paciente se depara com o objeto (ou situação) fóbico.

O pensamento fóbico é tão automático quanto o obsessivo e o paciente tem plena consciência do absurdo de seus temores ou, ao menos, sabem-no como completamente infundados na intensidade que se manifestam. Resistem, os temores, a qualquer argumentação sensata e lógica. Aliás, o medo só será fóbico quando considerado injustificável pelo próprio paciente e, concomitantemente, for capaz de produzir reações adversas comandadas pelo sistema nervoso autônomo.