Deficit de Atenção e Hiperatividade

Artigo de Bruna Antunes de A. Ximenes
| Infância e Adolescência | Colaboradores |


Bruna Antunes de A. Ximenes

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) é uma complexa desordem comportamental que leva a criança a graus variáveis de comprometimento na vida social, emocional, escolar e familiar. É marcado por distúrbios motores, perceptivos, cognitivos e comportamentais que geram dificuldades globais no desenvolvimento infantil.

No decorrer dos anos houveram inúmeras mudanças na nomenclatura que refletiram tendências históricas no conceito da origem desse transtorno, bem como em seus aspectos essenciais. EM 1947, Strauss e Lehtinen chamavam o TDAH de “Síndrome de Lesão Cerebral Mínima”. Em 1962, graças a falta de comprovação de alteração neurológica, ficou conhecido como “Disfunção Cerebral Mínima”.

Na década de 50 a atividade motora excessiva apresentada por esses pacientes foi valorizada como condição primária para o diagnóstico. No DSM-II (Classificação de Transtornos Mentais da Associação Norte-americana de Psiquiatria - 1968) a nomenclatura foi alterada para “Síndrome Hipercinética da Infância”, enquanto que, em 1987, o mesmo DSM revisado (DSM-III), passou a ser classificar o quadro como “Distúrbio do Déficit de Atenção por Hiperatividade”, em que a inquietação era o elemento essencial. Somente em 1994, no DSM-IV surgiu a nomenclatura atual de “Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade”.

Prevalência

No Brasil a prevalência de TDAH é de 3,6 a 5% da população escolar, sendo o predomínio desatenção encontrado em 25% das crianças. Em adolescentes de 12 a 14 anos, a prevalência é um pouco maior, atingindo 5,8%.

 

Na população geral a proporção entre os sexos é de 1,5 menino para cada menina, enquanto que em ambulatórios os números se alteram substancialmente (10 meninos : 1 menina) provavelmente pelo fato do subtipo desatento ser o mais encontrado entre as meninas e também, por, aparentemente, causar menor impacto social, que gera  subdiagnóstico e pouco acesso a tratamentos.   

 

O subtipo mais encontrado é o tipo combinado, desatenção e hiperatividade, que corresponde a 55%, o tipo predominantemente desatento é responsável por 27% dos casos. Estudos revelam que 30 a 70% dos indivíduos afetados continuam apresentando o mesmo comportamento na fase adulta, sendo a prevalência estimada entre adultos jovens de 0,3 a 3,5%, porém, com o crescimento a hiperatividade tende a diminuir e a desatenção permanece constante.

 

Comorbidades:

Existe uma associação do TDAH com o Transtorno de Conduta e de Oposição (25%) e com Transtornos de Ansiedade (25%). Aproximadamente um terço dos pacientes apresenta depressão, 20 a 25% deles sofrem de algum tipo de Transtorno de Aprendizagem e 2% apresenta Transtorno de Tourette associado.

 

 Fatores de risco para TDAH

 História familiar

• Parentes homens etilistas ou anti-sociais

 Condição socioeconômica

 Sexo masculino

• Discórdia conjugal

 Divórcio

 Negligência e privação parental

 Abuso

 Retardo mental

 Transtorno de conduta

 Baixo peso no nascimento 

 

 

Causas 

Fatores Genéticos:

Estudos de famílias com filhos adotivos e gêmeos verificaram antecedentes de hiperatividade nos pais e falta de associação entre crianças adotadas e pais adotivos. Os pacientes com TDAH têm taxas mais elevadas de alcoolismo e personalidade anti-social entre os pais e existem casos esporádicos sem história familiar positiva.

 

Metabolismo das Aminas:

Acredita-se que o desequilíbrio neuroquímico nos sistemas neurotransmissores da noradrenalina e da dopamina levaria ao TDAH por baixa produção dessas substâncias ou por sua subutilização.

 

Disfunção Cerebral Localizada:

 A disfunção do lobo frontal, responsável pela atenção, controle do impulso, organização e atividade continua dirigida ao objetivo, ocorreria por uma perturbação dos processos inibitórios do córtex e por  hipoperfusão do córtex frontal.

 

Fatores Ambientais e Adquiridos:

Existe uma associação do TDAH com hipóxia perinatal e neonatal, traumas obstétricos, rubéola intra-uterina, encefalite, entre outros. A Hipótese ortomolecular defende que as crianças com TDAH têm uma necessidade constitucional para doses mais elevadas de vitaminas do que as encontradas nas dietas.

 

Fatores Psicossociais

Os fatores que interferem no desenvolvimento e curso do transtorno são o estilo de criação, a personalidade dos pais e fatores sócio-emocionais. Perdas e separações precoces também são apontadas.

 

Modelo Interativo-Ativo

Esse modelo estimula o pensamento clínico abrangente sobre o paciente pelo simples fato de que nenhuma hipótese isolada é suficiente para explicar todos os casos.

 

Diagnóstico e aspectos clínicos

A história clínica deve ser obtida com os pais, professores e cuidadores. É válida a utilização de escalas de classificação como o CONNERS, por exemplo, porém o mesmo não deverá ser usado como base para conclusão diagnóstica.

 

As queixas dos pais, professores e cuidadores ocorrem antes dos 7 anos e devem interferir em pelo menos duas áreas de atuação da criança (lar, escola, colégio, grupo de amigos).

Um exame clínico cuidadoso e bem conduzido é essencial para avaliar as capacidades da criança, estabelecer diagnósticos diferenciais, além de possibilitar a formação de uma aliança com a criança.

 

TDAH e Desatenção

No subtipo desatento o intervalo de atenção é curto e conseqüentemente ocorrem falhas em terminar tarefas, dificuldades em escutar e realizar as instruções, esquecimento e negligência. É importante lembrar que a atenção deve ser julgada em relação ao que é normalmente esperado para a idade da criança.

 

TDAH – Hiperatividade e Impulsividade

As características de hiperativa são a inquietação, contorcimento, dificuldade em ficar sentado, corridas excessivas. A impulsividade é caracterizada por responder prematuramente, passar de uma atividade a outra, impaciência, conclusões precipitadas. Um fator comumente associado é a falha em seguir regras estabelecidas.

 

Os bebês e pré-escolares com esse transtorno diferem das crianças ativas, por estarem constantemente irriquietos e envolvidos com tudo à sua volta; eles andam para lá e para cá, movem-se “mais rápido que a sombra”, sobem ou escalam móveis, correm pela casa e têm dificuldades em participar de atividades em grupo durante a pré-escola. 

 

TDAH – Diagnóstico Diferencial

O TDAH é um padrão de comportamento crônico, iniciado antes dos 7 anos de idade e sem alterações do afeto. Deve ser diferenciada dos quadros abaixo:

 

 TDAH – Diagnóstico Diferencial

 Transtorno de conduta sem TDAH: comportamento mais organizado, padronizado e com intervalo de atenção adequado

 Transtorno de conduta + TDAH: a criança pode brigar freqüentemente porque sua hiperatividade desatenta invade as atividades de outras crianças, ela pode brigar novamente com “as crianças que me provocaram”

 Transtorno desafiador opositor

 Depressão, mania

 Transtorno de ansiedade

 Transtorno invasivo do desenvolvimento

 

 

Tratamento Farmacológico

1-Estimulantes

A partir da década de 80, ao contrário do que se pode pensar, estudos comprovaram a eficácia de estimulantes (efeito paradoxal em crianças) no tratamento do TDAH.

 

As drogas psicoestimulantes são utilizadas no tratamento de crianças e adolescentes desde 1930. Seu mecanismo de ação é a estimulação de receptores alfa e beta-adrenérgicos diretamente, ou a liberação de dopamina e noradrenalina dos terminais sinápticos, indiretamente. O início de ação ocorre após 30 minutos da ingestão do fármaco, com pico em 1 ou 2 horas e meia-vida de 2 a 3 horas.

 

Um dos estimulantes mais avaliados foi o Metilfenidato (Ritalina®), em dosagens que variam entre 0.3 a 1 mg/kg/dia. A d-anfetamina (Biphetamine®- EUA) nas dosagens entre 0.15 a 0.5 mg/kg/dia e a Pemolina (Cylert® - EUA) em dosagens de 18 a 56 mg/kg/dia. Apenas a Ritalina® se encontra disponível no Brasil.

 

O metilfenidato (Ritalina®) foi sintetizado em 1955 e ainda hoje é considerado a primeira escolha no tratamento do TDAH. Essa é a conduta da Associação Americana de Psiquiatria da Infância e Adolescência, enfatizando que essa substância deve ser utilizada em qualquer caso de TDAH.

 

Há uma nova apresentação do metilfenidato no Brasil chamada Concerta©, ou Ritalina RD© Em outros países existem outros medicamentos pertencentes ao grupo desses estimulantes, tais como a dextroanfetamina e uma mistura de quatro diferentes estimulantes denominada Aderall©.

 

Segundo alguns autores, uma das vantagens da nova apresentação do metilfenidato (Concerta® ou Ritalina RD©) em relação à atualmente existente (Ritalina®) é que, embora ambos produtos utilizem o mesmo metilfenidato, a nova apresentação permite a comodidade de dose única diária (cujo efeito dura cerca de 12 horas).

 

Os efeitos colaterais mais encontrados são a insônia, diminuição de apetite, dor abdominal e cefaléia. Em relação ao apetite, os pais devem estar cientes do fato e estimular a ingestão de alimentos mais calóricos. Para amenizar a dor abdominal os pais devem oferecer a medicação junto as refeições. Em caso de cefaléia a criança poderá usar analgésicos simples. A administração da medicação não deve ser feita perto do horário de dormir para evitar a insônia.

 

2-Antidepressivos Tricíclicos

Para as crianças que por algum motivo não possam fazer uso do metilfenidato outras medicações podem ser tentadas, mas a eficácia delas é menor. Os antidepressivos podem diminuir a agressividade, melhorando também os sintomas de ansiedade e depressão habitualmente presentes em portadores de TDAH.

 

A Imipramina (Tofranil®, Imipra®) parece ser, dos tricíclicos, um dos que apresenta ótima resposta terapêutica para o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. É usado na dose de 1 e 3 mg/kg/dia.

 

A Nortriptilina (Pamelor®) vem sendo empregada também para o tratamento desse transtorno. A dose de Nortriptilina varia entre 0.4 e 4.5 mg/kg/dia (média de 1.7mg/kg/dia), entretanto, não foram encontrados estudos prospectivos controlados avaliando seu uso no tratamento de TDAH.

 

3- Antidepressivos ISRS

Exite ainda pouca experiência com os antidepressivos inibidores seletivos da recaptação da serotonina para o tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade, entretanto as perspectivas são bastante otimistas. A Fluoxetina (Prozac®, Verotina®, Daforim®, Fluxene®, Eufor®, Nortec®, Deprax®) tem sido usada com sucesso na dose de 0,5 a 1mg/Kg/dia.

 

4- Neurolépticos

Os Neurolépticos: devem ser reservados apenas para casos muito especiais, em geral quando existe, junto com a hiperatividade e déficit de atenção, também retardo mental associado.

 

Embora os neurolépticos (Neuleptil®, Melleril®, etc) possam ser o tratamento preferido dos neurologistas para o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, a maioria dos estudos comparativos entre antipsicóticos aos estimulantes apontam quase unanimemente para uma eficácia clínica muitíssimo superior dos estimulantes. A Risperidona (Risperdal®) poderá, eventualmente, ser tentada experimentalmente.

 

5-Cafeína

Nos EUA a cafeína tem sido muito pouco utilizada para o tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade devido às facilidades para a prescrição do Metilfenidato (Ritalina®). No Brasil para a prescrição de Ritalina® há necessidade de receituário especial para entorpecentes (cor rosa) que somente a Secretaria da Saúde fornece.

 

Assim sendo, a cafeína pode ser utilizada com o mesmo propósito estimulante do metilfenidato, mas as pesquisas são controversas em relação aos resultados. Alguns estudos afirmam que a maioria das crianças portadoras de Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade responde bem ao tratamento com a cafeína, formulada em farmácias de manipulação na dose de 10 mg/kg/dia, dividido em 3 tomadas. Outros estudos contestam afirmando que não há melhora expressiva do quadro.

 

Segundo a Associação Brasileira de Déficit de Atenção (ABDA) não existem estudos comprovando a eficácia da cafeína em crianças com TDAH. Os poucos estudos científicos mostram que o efeito é semelhante ao do placebo (substância sem efeito) e não é superior ao efeito dos estimulantes. A cafeína só demonstrou ter algum efeito positivo sobre a atenção em indivíduos normais que não eram portadores de TDAH.

 

6-Outros fármacos

Dos outros fármacos, apenas a Carbamazepina (Tegretol®, Tegretard®) parece ter alguma eficácia para o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade quando o caso é refratário aos medicamentos anteriormente citados. Outros fármacos como os benzodiazepínicos (Valium®, Diempax®, Rivotril®), o propranolol e o carbonato de lítio não se mostram clinicamente eficazes no tratamento desse distúrbio.

 

Início e Duração do Tratamento

O início do tratamento deve ser precoce, porém a maioria dos familiares protelam o tratamento por preconceito e razões culturais (onde já se viu dar esses remédios para crianças??), por razões familiares (os avós acham que os pais também eram assim quando pequenos) ou por falta de acesso a informações. Esse último não é monopólio dos familiares, já que muitos profissionais médicos e psicólogos são completamente contrários ao tratamento medicamentoso por completa ignorância técnica e científica.

 

De qualquer maneira, a maioria dos pacientes acaba procurando um médico, muitas vezes um neurologista (por receio de dizer que o filho vai ao psiquiatra), tão logo a professora reclame do rendimento escolar da criança. Nem mesmo as constantes queixas de comportamento sensibilizam os pais para o tratamento, mas a ameaça de perder o ano é fatal para a decisão.

 

Portanto, o tratamento começa por na idade escolar, pelas razões citadas, e deve permanecer até o início da adolescência (11-13 anos). A questão mais importante no tratamento é o reconhecimento e aceitação da família quanto a essa necessidade imperiosa; não só para o bom desenvolvimento da criança, senão também para maior conforto dos pais e socialização adequada do paciente.

 

para referir

Ximenes BAA - Déficit de Atenção e Hiperatividade, in. PsiqWeb, disponivel na internet em http://www.psiqweb.med.br/, incluido em 2008.

 

 

Bruna Antunes de A. Ximenes é co-editora de PsiqWeb

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Andrade et al. Análise da eficácia do metilfenidato usando a versão abreviada do questionário de CONNERS em TDAH. Arq Neuropsiquiatr, supl 1; 81-85, 2004

2. Antony et al. A criança hiperativa: uma visão da abordagem gestáltica. Psic: Teor. E Pesq, 127-134, 2004

3. Essau CA; Groen G; Conradt J; Turbanisch U; Petermann F - Frequency, comorbidity and psychosocial correlates of attention-deficit/hyperactivity disorder. Results of a Bremen adolescent study. Fortschr Neurol Psychiatr, 1999 Jul, 67:7, 296-305.

4. Hughes JR; Hale KL - Behavioral effects of caffeine and other methylxanthines

on children. Exp Clin Psychopharmacol, 1998 Feb, 6:1, 87-95

5. Jonkman LM; Kemner C; Verbaten MN; Van Engeland H; Kenemans JL; Camfferman G; Buitelaar JK; Koelega HS - Perceptual and response interference in children with attention-deficit hyperactivity disorder, and the effects of methylphenidate. Psychophysiology, 1999 , 36:4, 419-29.

6. Kaplan et al. Tratado de Psiquiatria.1999

7. Pastura et al. Efeitos colaterais do metilfenidato. Ver. Psiq. Clin, 100-104, 2004

8. Shader RI; Harmatz JS; Oesterheld JR; Parmelee DX; Sallee FR; Greenblatt

DJ - Population pharmacokinetics of methylphenidate in children with attention-deficit hyperactivity disorder. J Clin Pharmacol, 1999 Aug, 39:8, 775-85

9. Smith BH; Pelham WE; Gnagy E; Yudell RS - Equivalent effects of stimulant

treatment for attention-deficit hyperactivity disorder during childhood and

adolescence. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry, 1998 Mar, 37:3, 314-21

10.Souza et al. Dificuldades no diagnóstico de TDAH em crianças. J. bras. Psiquiatr. 56, supl 1; 14-18, 2007

 

 




Busca




NEWSLETTER
Receba os boletins informativos do PsiqWeb no seu e-mail

Transtornos Comuns
Em crianças e adolescentes os transtornos mais comuns são aqueles relativos a depressão, transtornos de aprendizagem, déficit de atenção e hiperatividade, transtornos de comportamento, de ansiedade, doenças psicossomáticas, problemas de personalidade e, menos freqüentemente, o autismo e a esquizofrenia.

A incidência desses transtornos psiquiátricos nas crianças e adolescentes varia com a idade, com o sexo e o nível socioeconômico. A depressão, por exemplo, embora seja comum em qualquer idade e nos dois sexos, tem sintomas diferentes; nos meninos pode manifestar-se como rebeldia, agressividade e irritabilidade, nas meninas com isolamento, fobias e ansiedade.

Os Transtornos de Conduta acometem sempre mais os meninos, aumentando a incidência com a idade. Os Transtornos Alimentares são mais problemáticos nas adolescentes e a adicção a drogas e/ou alcoolismo nos meninos adolescentes.

De um modo geral na idade escolar os alunos podem trazer consigo um conjunto de situações emocionais intrínsecas ou extrínsecas, ou seja, podem trazer para escola alguns problemas de sua própria constituição emocional (ou personalidade) e, extrinsecamente, podem apresentar as conseqüências emocionais de suas vivências sociais e familiares.

Como exemplo de condição emocional intrínseca estão os problemas psíquicos inerentes à própria pessoa, próprias do desenvolvimento da personalidade, dos
traços herdados e das características pessoais de cada um. Incluem-se aqui os quadros associados aos traços ansiosos da personalidade, como por exemplo a Ansiedade de Separação na Infância, os Transtornos Obsessivo-Compulsivos, o Autismo Infantil, a Deficiência Mental, Déficit de Atenção.

Incluem-se também os quadros associados aos traços depressivos da personalidade, como é o caso da Depressão na adolescência, Depressão Infantil, e outros mais sérios, associados à propensão aos quadros psicóticos, como a Psicose Infantil, Psicose na Adolescência e associados aos transtornos de personalidade, a exemplo dos Transtornos de Conduta, entre outros.

Entre as questões externas à personalidade capazes de se traduzirem em problemas emocionais, encontram-se as dificuldades adaptativas da Adolescência e Puberdade, do Abuso Sexual Infantil, os problemas relativos à Criança Adotada, à Gravidez na Adolescência, à Violência Doméstica, aos problemas das separações conjugais dos pais, morte na família, doenças graves, etc.

__________________________________

.

pergunta@psiqweb.med.br

.

Prevalência do TDAH em Escolares
Milena Pereira Ponde e Antonio Carlos Cruz Freire pesquisaram a previdência do Transtorno de déficit de Atenção e Hiperatividade em escolares na cidade de Salvador. O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é o distúrbio neuropsiquiátrico mais comum na infância, estando, também, entre as doenças crônicas mais prevalentes em crianças escolares.

O objetivo da pesquisa foi estimar a prevalência do TDAH em escolares através de inquérito com professores. Foram avaliadas 774 crianças, matriculados na rede pública e privada de ensino. O instrumento diagnóstico utilizado foi a Escala de TDAH versão para professores.

Os resultados mostraram que 6,7% das crianças apresentavam alta probabilidade de apresentar o distúrbio. Dentre os casos mais severos de TDAH o subtipo hiperativo-impulsivo foi mais prevalente nos escolares do sexo feminino, enquanto o subtipo desatento foi mais prevalente entre as crianças do sexo masculino.

A conclusão foi de que os sintomas do déficit de atenção em crianças hiperativas podem ser subestimados pelos professores visto que os sintomas da hiperatividade são mais disruptivos e visíveis.

PONDE, Milena Pereira e FREIRE, Antonio Carlos Cruz. Prevalência do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade em escolares na cidade do Salvador, Bahia, Brasil. Arq. Neuro-Psiquiatr., jun. 2007, vol.65, no.2a, p.240-244. ISSN 0004-282X.

.

pergunta@psiqweb.med.br

.