Delírios e Deliróides

A palavra delírio significa "sair dos trilhos" e por definição o conceito de delírio é uma alteração da realidade
| Psicopatologia | Psicoses |


Para se falar em Delírio temos que começar falando da Lógica e do Juízo. A lógica é quem estuda e argüi o juízo e se interessa, particularmente, por sua concordância com as leis formais do pensamento, seus aspectos dialéticos e seu conteúdo. Para que a lógica seja correta interessa apenas a forma do pensamento seja correta (aspectos formais do pensamento). Do ponto de vista da lógica, portanto, o juízo consiste na afirmação ou negação de uma relação entre conceitos.

A palavra Delírio etimologicamente significa "sair dos trilhos" (de: fora; e liros: sulcos). Por definição o conceito de Delírio consiste em alteração do juízo de realidade (capacidade de distinguir o falso do verdadeiro) e implica em lucidez da consciência. Para que se use o termo "delírio" Jaspers propõe que esta alteração do juízo não seja decorrente de uma perturbação da inteligência nem que seja secundário a um estado de consciência momentaneamente alterado, quando existe um distúrbio da consciência produzindo uma alteração de juízo, chamamos, então, de "delirium".

Os indivíduos acometidos tanto de delirium como de Delírio têm alterações do pensamento no que se refere à compreensão dos fatos. Estas alterações terminam por comprometer a interação com outras pessoas.

O juízo em sua estrutura, consta de dois termos ou conceitos intimamente atrelados. Tal como numa oração sintática, o sujeito é o ser de quem se afirma ou se nega alguma coisa, enquanto o predicado é o que se afirma ou se nega desse sujeito. Estabelece-se assim uma íntima relação entre o sujeito e o predicado, sendo que este último afirma ou nega algo do sujeito. Se se estabelece, por exemplo, uma relação entre a cobra e periculosidade, formaremos em nossa consciência o juízo de que a cobra é perigosa.

Pode-se, também, estabelecer a relação entre uma percepção e um conceito: este homem está doente. Os juízos são atos da consciência em que se exprimem os vínculos e relações entre os objetos e fenômenos da natureza. A existência de diversas formas de juízo está condicionada pelo desenvolvimento histórico do conhecimento humano. De qualquer forma, o juízo pode expressar a verdade ou o erro, conforme suas afirmações correspondam ou não à realidade. Portanto, o único critério da veracidade dos juízos é a sua consonância com a realidade objetiva.

Em psiquiatria são estudadas as alterações do conteúdo do pensamento, onde se incluem os Delírio, as obsessões, as fobias e as idéias supervalorizadas. Na realidade, talvez fosse mais correto afirmar que os delírios sejam um distúrbio no ato de formação dos juízos do que alterações do conteúdo do pensamento. Um homem normal pode encontrar-se na situação de perseguido, ser vigiado por um inimigo, ser perseguido pela polícia, ser vítima de injustiças e reagir para livrar-se dessa situação desagradável.

Em um esquizofrênico, o Delírio de perseguição tem a mesma estrutura, o mesmo conteúdo, na sucessão das fases: desconfiança, descoberta da base concreta para essa desconfiança e reação. A vivência de perseguição ou o conteúdo das idéias pensadas é idêntica nos dois casos. O que faz diferir o Delírio esquizofrênico da perseguição real é que no Delírio tudo irrompeu na mente do enfermo sem que haja nada no mundo exterior que a justifique. Seria um juízo incoerente que associa um falso perseguidor atuando sobre uma pessoa real (o doente). Percebe-se que o conteúdo do pensamento está até coerente, mas o ato de formação dos juízos foi perturbado, o perseguidor surgiu sem nenhuma correlação com a situação objetiva realmente existente.

Ao estudar o problema dos delírios ou das idéias delirantes, estaremos nos referindo à formação dos juízos e teriam uma denominação mais precisa se fossem chamadas simplesmente de juízos delirantes. Entretanto, o uso consagra as expressões Delírio e idéias delirantes.

O termo Delírio teria várias acepções diferentes, dependendo das circunstâncias onde é usado. Pode significar as alterações globais e profundas da consciência, tais como são observadas nas psicoses sintomáticas ou secundárias, como é o caso do delirium tremens, do delírio febril (toxi-infeccioso) ou do delírio oniróide dos estados ateroscleróticos. Nesses casos podemos falar em delirium. Pode significar ainda os estados confusionais das psicoses delirantes agudas ou dos estados dissociativos.

Outras vezes pode significar idéia deliróide, como são aquelas secundárias à transtornos afetivos e que ocorrem na depressão grave com sintomas psicóticos e, finalmente, podem significar, de fato, um conjunto de juízos falsos que se desenvolvem em conseqüência de condições psicopatológicas graves e que não se corrigem por meios racionais, como é o caso das psicoses esquizofrênicas. Esta última acepção do Delírio é aquela que deveria ser empregada ao verdadeiro Delírio.

Para nós, vamos ficar com a idéia dos Delírios como sendo desordens primárias do juízo e que não podem ser deduzidas de outras experiências vivenciais, nem racionais, nem emocionais. São juízos infundados que ocorrem como verdades incontestáveis e dos quais se retiram conseqüências vivenciais, sejam racionais, comportamentais ou emocionais, tal como seria de se esperar de um juízo corretamente fundamentado.

Os enfermos delirantes são capazes de discorrer com uma lógica impecável, porém conseqüente à falsidade que Ihes serve de ponto de partida. O exame mais aprofundado do problema do Delírio verdadeiro nos leva à conclusão de que, na realidade, não se trata de perturbação do juízo já formado, mas algo que precede à formação desses juízos. A perturbação se constitui no próprio ato de constituição da premissa: princípio do qual decorre alguma conseqüência. A premissa é falsa, mas o raciocínio que se desenvolve a partir desse princípio falso é perfeitamente coerente, portanto, o conteúdo do pensamento até que seria normal, embora a premissa primeiramente ajuizada seja falsa.

Idéias Delirantes
Uma descrição demasiado fácil do Delírio seria dizer: o delírio é uma convicção errônea não-corrigível. Mas, seria preciso lembrar que nem toda convicção errônea não-corrigível é um Delírio. Se essa convicção se relacionar à falta de cultura ou erudição, à falta de conhecimentos ou de inteligência, não será um Delírio, mas sim um déficit cultural ou cognitivo.

Tampouco será Delírio as representações errôneas que se originam de sentimentos compreensíveis. Se o amante, por exemplo, está convicto da perfeição da amada imperfeita, não se trata de idéias delirantes. As convicções filosóficas ou religiosas também não são Delírio, mesmo que muitas pessoas as considerem errôneas elas devem ser classificadas como idéias supervalorizadas.

Se desejarmos qualificar o Delírio como um erro, é preciso que se trate de um erro não ambíguo, nem justificável, nem circunstancial e nem, muito menos, emocional. Deve tratar-se sim de um erro que está em oposição visível à realidade objetiva dos fatos. No Delírio ocorre alteração do conteúdo do pensamento, mas não da memória e nem da atenção.

Jaspers define o Delírio com sendo um juízo patologicamente falseado e que deve, obrigatoriamente, apresentar três características:

1. Uma convicção subjetivamente irremovível e uma crença absolutamente inabalável com impossibilidade de sujeitar-se às influências de correções quaisquer, seja através da experiência ou da argumentação lógica;
2. Um pensamento de conteúdo Impenetrável e incompreensível psicologicamente para o indivíduo normal e;
3. Uma representação vivencial sem conteúdo de realidade que não se reduz à análise dos acontecimentos vivenciais.

É irremovível e inabalável porque, diante do paciente delirante não se consegue demover o conteúdo de seu pensamento mediante qualquer tipo de argumentação. Caso o paciente se deixe convencer pela argumentação lógica e razoavelmente elaborada, decididamente não se trata de um delírio, mas de um engano ou de uma formação deliróide. A argumentação racional e lógica não deve afetar a realidade de quem delira, independentemente da capacidade convincente e da perseverança daquele que se empenhar nesta tarefa infrutífera. Para ser Delírio a convicção dever ser sempre inabalável e irremovível.

Em relação à segunda regra de Jaspers, será impenetrável pela impossibilidade do Delírio ser compreendido por pessoas que mantém vínculo sólido com a realidade. Fica claro que a lógica do delirante não é aplicável à lógica dos indivíduos normais, daí a incompreensão psicológica do Delírio: ele carece de relação entre a temática delirante e os elementos da realidade, notadamente com a conjuntura vivencial do paciente.

Ao postular esta regra tríplice Jaspers definia aquilo que chamamos de Delírio Primário. Em outras palavras, a irredutibilidade do Delírio quer dizer que não pode haver uma relação compreensível entre o tema delirante e possíveis vivência causadoras. O que se confunde, às vezes, são histórias de afastamento da realidade posteriores à traumas emocionais mas, como já dissemos, tratar-se-á aqui de Idéias Deliróides e não de Delírios francos.

Na Idéia Deliróide, ao contrário da Idéia Delirante, podemos reduzir o conteúdo fantasioso do pensamento à uma análise vivencial e psicodinâmica plausível. Um jovem de 23 anos, por exemplo, vítima de acidente do trabalho que lhe custou a perda de quatro dedos da mão direita, começou apresentar uma expressiva inadequação afetiva (ao invés de aborrecido, mostrava-se feliz) e um Delírio no qual julgava-se Deus, cheio de poderes, auto suficiente e ostensivamente ameaçador para com as pessoas que dele duvidavam. Resumindo, está claro que tal ideação emancipada da realidade era compreensível: tratava-se de um Mecanismo de Defesa psicotiforme no qual, estava mutilado mas, em Compensação o seu poder passou a ser infinito. Trata-se pois de uma Idéia Deliróide ou um Delírio Secundário, o qual habitualmente pode fazer parte de uma Reação Psicótica Aguda.

No Delírio o relacionamento entre o paciente e as outras pessoas se deforma grotescamente e o doente se exclui da comunidade, se afasta da Concordância Cultural que deveria permear a vida gregária num determinado sistema, portanto, podemos dizer que o Delírio tende ao autismo. Ele experimenta sua convicção doentia sem se preocupar, de forma alguma, com outros pontos de vista, interesses e juízos. O paciente delirante quase exclui o outro, ou quase se exclui dos outros, ele não sente necessidade de comprovar sua convicção diante da realidade, não se preocupa em fundamentá-la nem para si, nem para os demais.

Quando uma pessoa sadia tem motivos para temer que está sendo perseguida por espiões, se sentirá compelida a refletir a respeito desse seu receio e a discutir o assunto com amigos, queixar-se para alguém... O doente delirante não. Ele sabe, simplesmente, que está sendo perseguido e não necessita fundamentar esse conhecimento com outras pessoas.

À essência do Delírio pertence ao seu aspecto inabalável. O delirante não se deixa influenciar nem pela experiência, nem por argumentações lógicas. A Idéia Delirante, ou Delírio espelha uma verdadeira mutação na relação eu-mundo e se acompanha de uma mudança nas convicções e na significação da realidade. O delirante encontra-se imerso numa nova realidade de forma à desorganizar a sua própria identidade, e se desorganiza pela ruptura entre o sujeito e o objeto, entre o interno e o externo, ou seja, entre o eu e o mundo. Por isso dizemos que o Delírio tende ao autismo.

A diferença entre convicções pouco prováveis das pessoas não psicóticas e Idéias Delirantes pode não ser fácil. Não devemos falar de idéias delirantes quando uma pessoa religiosa arquiteta pontos de vista próprios dos assuntos de sua religião, contudo, podemos falar de idéias religiosas delirantes quando alguém se apega à idéia de ser um Superdeus ou de que será o salvador do mundo, e mantém essa idéia mesmo diante da lógica em contrário. Para poder lidar com o conceito de Idéia Delirante, há necessidade de saber que erros incorrigíveis a pessoa não psicótica costuma formar com freqüência e quais os erros que não costuma formar, no contexto da sociedade em que vive.

No campo da crença, da visão filosófica do mundo e da superstição, é difícil formar um julgamento simples. Não devemos medir o erro de uma idéia que desconfiamos ser delirante, de acordo com as nossas próprias convicções religiosas ou filosóficas. Em outros casos, entretanto, é possível dizer que uma idéia é errônea e tem origem mórbida, na medida em que ela não costuma surgir em nosso meio sem que exista a doença mental.

Desta forma, podemos admitir a existência de Idéia Delirante quando, por exemplo, um lavrador comum declara, sem qualquer fundamento, que se transformou no chefe da rede de espionagem de uma grande potência, por meio da hipnose dos espíritos, ao passo que não desconfiamos necessariamente de delírio quando alguém, muito religioso, se julga convocado pelos desígnios divinos a ajudar os pobres.

Idéias Deliróides
Kraepelin
definia os delírios como "idéias morbidamente falseadas que não são acessíveis à correção por meio do argumento". Bleuler, por sua vez, dizia que "Idéias delirantes são representações inexatas que se formaram não por uma insuficiência da lógica, mas por uma necessidade interior. Não há necessidades interiores senão afetivas". Como percebemos, Kraepelin se referia àquilo que entendemos por Delírio Primário, enquanto Bleuler, ainda mesmo sem cogitar a concepção de Idéia Deliróide, já ventilava a possibilidade desse tipo de Delírio Secundário.

Todos nós tendemos a desenvolver ficções reconfortantes úteis para proporcionar apoio e segurança à personalidade. Aparentemente, o espírito humano sempre desenvolveu ou adotou crenças bem elaboradas num esforço para satisfazer necessidades íntimas. A construção de crenças fantasiosas confortadoras como proteção contra a ansiedade e a insegurança, tem ocorrência universal. Este foi, em outras épocas, o propósito oculto dos nossos contos de fadas, das narrações épicas de pessoas poderosas, dos mitos e crenças.

As vezes a solicitação para satisfação das necessidades íntimas da personalidade pode ser tão contundentes que a realidade é totalmente desprezada em favor de Idéias Deliróides. A realidade sofrível pode ser transformada a fim de torná-la mais compatível com as necessidades emocionais da personalidade.

Desde Jaspers, diversos autores dizem que o delírio é algo que não pode ser explicado psicologicamente e cuja ocorrência só se pode conceber em conexão com algo misterioso que acomete o psiquismo a partir do orgânico. Outros autores observam haver no delírio muito que possa ser psicologicamente explicado, compreendido e sentido.

Eugene Bleuler, mesmo sem adotar o termo Idéia Deliróide, defendeu esta posição reconhecendo idéias falsas que decorriam de estados mórbidos de alteração de humor. Observou que, ao passo que o deprimido leve apenas temia ficar pobre, doente ou que pudesse ter cometido um pecado, o deprimido grave tinha certeza disso e não havia meios que pudessem convencê-lo a abandonar tais pensamentos. Igualmente na euforia doentia, Bleuler via surgir uma elevação anormal da auto-estima, a qual se desenvolvia numa idéia de grandeza firmemente estabelecida.

Das observações de Bleuler estabeleceu-se aquilo que se concebe como Idéias Deliróides, ou seja, das idéias com características de Delírio no que diz respeito ao afastamento da realidade, porém, possíveis de interpretação psicológica. Mais precisamente, falsas idéias decorrentes de expressivas alterações afetivas. Kolb, tal como Bleuler, também trata dos Delírios e Idéias Deliróides como uma coisa só. Ele refere um exemplo bem sugestivos das Idéias Deliróides mostrando até que ponto as necessidades íntimas podem produzir distorções da realidade, negações e emprego inadequado de fatos, de uma forma considerada delirante:

Durante a Primeira Guerra Mundial, uma mulher foi informada pelo Departamento de Guerra que seu marido fora morto em certa data e enterrado em certo lugar da França. Vários meses depois, ela visitou o Departamento e expressou a convicção de que seu marido estava vivo e que o corpo do seu suposto marido era realmente o de uma pessoa desconhecida para ela. As autoridades militares apresentaram provas de que não fora cometido nenhum erro, mas a viúva continuou incrédula e pediu que o corpo do seu suposto marido fosse levado de volta América e examinado.

Isto foi feito e o número de identificação, assim como a localização dos ferimentos, corresponderam aos registros do Departamento de Guerra. Ainda assim a mulher permaneceu incrédula. Finalmente o motivo para sua ilusão apareceu. Entre os papéis do falecido marido, reunidos após sua morte e enviados à viúva, havia cartas apaixonadas de outra mulher. A paciente protegera-se a si mesma da penosa realidade de que não era a primeira na afeição do marido, criando a crença de que o homem que fora morto e cujos papéis lhe haviam sido enviados era outro.

A distinção fundamental entre Idéias Delirantes e Idéias Deliróides se liga, indissoluvelmente, à Karl Jaspers. Nas Idéias Deliróides as experiências são assimiladas e a imagem do mundo exterior fornecida pela sua razão é falsificada de acordo com as demandas afetivas e instintivas fragilizadas. Ele age como se seu sistema deliróide constituísse a realidade da qual necessita.

O raciocínio que caracteriza a Idéia Deliróide é bastante similar àquele que todos nós utilizamos, embora de grau diferente. Por isso a Idéia Deliróide nos é compreensível na maioria das vezes. Nossas crenças tendem a ser subjetivamente coloridas e, sem dúvida, todos recorremos a certas ficções por segurança. O emprego fisiológico e normal da Racionalização e da Projeção com propósitos defensivos, por exemplo, têm igual objetivo psicológico que a utilização patológica desses mesmos Mecanismos de Defesa, como acontece nas Idéias Deliróides.

As Idéias Deliróides, notadamente aquelas organizadas e sistematizadas, constituem tentativas de manipular os problemas e as tensões da vida através da fantasias elaboradas para fornecer aquilo que a vida real nega, entretanto, devido ao seu aspecto mórbido, tais fantasias não são construídas numa estrutura compatível com uma adaptação social normal.

A direção e o tema das Idéias Deliróides pode ser determinados pelos problemas e necessidades íntimas do paciente antes de se tornar doente. Verificamos, com freqüência, que o conteúdo das Idéias Deliróides revela aspectos significativos dos problemas pessoais do paciente.

As fontes desses problemas podem ser freqüentemente encontradas em inclinações e impulsos contrariados, esperanças frustradas, sentimentos de inferioridade, inadequações biológicas, qualidades rejeitadas, desejos importunantes, sentimentos de culpa e outras situações que exigem uma defesa contra a angústia. Uma profunda necessidade de consolo pode ser satisfeita por idéias auto-elogiosas, portanto, uma falsa Idéia Deliróide de grandeza, por exemplo, pode refletir uma defesa contra sentimentos de inferioridade.

Muitas vezes, todavia, a função psico-emocional da Idéia Deliróide está longe de ser óbvia e sua interpretação permanece no terreno das especulações. Isto não significa que ela não tenha significado ou propósito. Ela possui um valor de ajustamento definido, mas sua origem e seu propósito são ocultos por seu conteúdo simbolicamente disfarçado.

Em artigo de 1910, Jaspers relata dois casos que substanciam brilhantemente essa divisão. Ele sustentou, a certa altura, que o verdadeiro Delírio de Ciúme dos casos relatados diferia de qualquer outra forma de produção mórbida de ciúme porque, em primeiro lugar, não partia de fatos reais (premissa falsa), logicamente aceitáveis e razoavelmente possíveis. Depois, porque não guardava nenhuma relação compreensível com disposições específicas de personalidade, com eventuais preocupações, com alguns complexos, conflitos ou com a dinâmica dos acontecimentos atuais.

Para Jaspers, o verdadeiro Delírio de Ciúme não podia, pois, ser explicado como traço de uma personalidade anormal no curso de seu desenvolvimento, mas sim, como algo novo que se inseria, em dado instante na linha vital do indivíduo, fazendo supor um desvio abrupto ou de uma quebra, uma profunda transformação qualitativa da própria estrutura pessoal.

Assim, desde essa época foram estabelecidas as diferenças essenciais entre as estruturas Delirantes e Deliróides. Jaspers afirmava que o verdadeiro delírio é um fenômeno primário por excelência. Como fenômeno primário ele queria dizer psicologicamente incompreensível para a pessoa normal, portanto, sem compreensibilidade para uma personalidade normal e sem nenhuma semelhança com eventuais vivências psíquicas que pessoas normais são capazes de representar coerentemente. Por isso essas idéias resultam totalmente estranhas e são impenetráveis psicodinamicamente. Ilustra bem a caricatura do "louco" que, de repente, acha-se Napoleão Bonaparte, sem nada capaz de explicar psicodinamicamente tal idéia.

Além do aspecto impenetrável, os juízos verdadeiramente delirantes devem trazer ainda o timbre da certeza subjetiva absoluta, da convicção interior irremovível. Essa não-influência psicológica seria, segundo Jaspers, outra característica típica da Idéia Delirante verdadeira, atestando assim sua irredutibilidade e incorrigibilidade, tanto por meio da persuasão lógica e irresistível, como através da evidência esmagadora dos fatos em contrário.

Na Depressão Grave, como sabemos e bem atestou Kurt Schneider, embora a tristeza vital seja considerada primária, no sentido de ser também incompreensível e psicologicamente irredutível, dela deriva e se vincula toda a gama de Idéias Deliróides depressivas. Essas Idéias Deliróides são pseudo-delírios ou Delírios Secundários, como os denomina Jaspers, por tomá-los psicologicamente compreensíveis e dentro do quadro clínico geral em que se forma formam. Hoje em dia fala-se em Delírio Humor-Congruentes para essas Idéias Deliróides.

O mesmo fenômeno se observa no tocante às idéias de grandeza, tão bem observadas em estados maníacos como expressão natural do sentimento de onipotência. Nesses casos também devemos considerar o classicamente chamado delírio de grandeza como pseudo-delírio ou Idéias Deliróides, e não só aqueles observados nos maníacos, como também nos raros casos da paralisia geral progressiva.

Nos maníacos, a irrealidade das Idéias Deliróides é compreensível e explicável em função da forma clínica expansiva da doença e, nos luéticos, são explicáveis, portanto secundários, em razão do processo mórbido orgânico-cerebral subjacente, portanto, são igualmente secundários. Assim, pois, as Idéias Deliróides podem ocorrer em abundância e secundariamente nos estados maníacos e depressivos, nas psicoses orgânicas, em certos oligofrênicos leves, em personalidades psicopáticas, nos sociopatas e nas psicoses reativas.

O tema do pensamento delirado não é suficiente para dizer se trata-se de uma Idéia Delirante ou Deliróide. Assim como Jaspers se baseou em Delírios de Ciúme para definir a Vivência Delirante Primária, Bleuler se baseia no mesmo tipo de delírio, porém em alcoólatras, para discorrer sobre uma Vivência Delirante Secundária. Embora Bleuler não use o termo Deliróide, suas observações sobre o delírio de ciúme do alcoolista pode exemplificar as Interpretações Deliróides.

Pelo fato, por exemplo, de espancar sua mulher e conseqüente ruptura de relação com ela e porque o alcoolismo já atingiu um grau suficientemente elevado para desenvolver impotência sexual, tornaram-se impossíveis as relações sexuais conjugais. Uma visão realista dos fatos e uma explicação realista seria: "por causa da bebida arruinei minha vida conjugal e perdi minha potência, por isso preciso parar de beber". Mas, poucos ou nenhum alcoólatra chega a essa conclusão. A saída encontrada por eles reside na representação tentadora de que: "Naturalmente sou um esposo exemplar, de plena posse de minha virilidade, então é a minha mulher que deve ser culpada pelo fato de a nossa vida conjugal estar perturbada. Será que ela não tem um amante?"

Se a auto-estima do alcoólatra sofrer mais ainda pelo seu fracasso e a sua dependência alcoólica o isolar cada vez mais, ele finalmente julgará que a infidelidade da esposa é uma certeza. Se, por acaso, ela arrumar a cama um quarto de hora mais tarde do que de costume, isto será uma prova "irrefutável" de que ela esteve na cama com outro homem.

Segundo Karl Jaspers, nas Idéias Deliróides as experiências são assimiladas e a idéia do mundo exterior oferecida pela razão é falsificada de acordo com as demandas afetivas e instintivas fragilizadas. É como se seu sistema de pensamento deliróide constituísse uma realidade necessária. O raciocínio que caracteriza as Idéias Deliróides é bastante similar àquele que todos nós utilizamos, embora de grau muito diferente. Por isso a idéia deliróide nos é compreensível na maioria das vezes.

Tipos de Idéias Deliróides
Do ponto de vista do conteúdo distinguimos as seguintes Idéias Deliróides. Aqui, a palavra Delírio deve ser entendida como Delírio Secundário.

1. - Delírio Expansivo, Delírio de Grandeza
Nos casos leves essas Idéias Deliróides assumem mais a forma de supervalorização do ego. O paciente passa a possuir uma saúde excepcional, uma excepcional capacidade de realização e uma beleza superior à das outras pessoas. A partir daí o megadelírio existe em todos os graus; possibilidades impossíveis de se atingir são otimistamente consideradas, idéias de poder fazer invenções fantásticas, de possuir fortunas inesgotáveis, fundar novas religiões, ser Deus ou Superdeus.

Ocasionalmente o ambiente também é delirantemente transformado: os colegas, amigos e parentes do paciente são vistos como condes, magnatas, etc. Sua casa pode se mostrar um palacete, seu carro uma super máquina, etc.

Este tipo de Idéia Deliróide é também denominado Delírio Humor Congruente, principalmente quando acomete pacientes com Transtorno Afetivo Bipolar, na fase de euforia. Pode ainda aparecer nos Transtornos Delirantes Transitórios (ou Psicoses Reativas Breves), igualmente secundário à profunda alteração afetiva desses estados. Nesses casos ele aparece de maneira reativa, ou seja, o paciente de fato estaria transformando em delírio um mecanismo de defesa. Também será um Delírio Secundário quando aparece na Sociopatia, tal como uma fantasia mitômana secundária à um anseio teatral e intencionalmente idealizado. O tema de grandiosidade pode fazer parte de um delírio verdadeiro e primário quando aparece no Transtorno Delirante Persistente (ou Psicose Delirante Crônica).

Nas formas maníacas da Paralisia Geral Progressiva (lues) o delírio de grandeza geralmente é bastante absurdo. Nesses casos o paciente tem à disposição grandes fortunas, grande poder e pode até julgar-se general ou superdeus.

Nos casos de Transtornos Afetivo Bipolar, fase maníaca e nas Psicoses Reativas Breves o prognóstico desse tipo de delírio é bom. Eles se resolvem com a melhora do quadro maníaco, depressivo ou reativo, mediante o uso de medicação neuroléptica sedativa ou incisiva em alguns casos. Por outro lado, na Psicose Delirante Crônica e nas Sociopatias, o prognóstico da idéia delirante e deliróide, respectivamente, costuma ser péssimo. Quando muito, nesses casos, o afastamento da realidade costuma apenas esmaecer um pouco com o tratamento neuroléptico.

2. - Delírio Depressivo (ou de Prejuízo)
O Delírio Depressivo se manifesta sob a forma de Delírio Pecaminoso ou Delírio de Culpa, Delírio de Doença, Delírio de Ruína. Percebe-se claramente que todos esses tipos de delírios depressivos dizem respeito à severo prejuízo da auto-estima.

O doente com Delírio Pecaminoso crê, sem razão, ter cometido os piores crimes e pecados ou aumenta pequenas transgressões reais e tentações, mesmo apenas em pensamentos, como sendo pecados imperdoáveis. Por este motivo não apenas o próprio paciente, "nesta vida e na vida além da morte", como também todos os seus parentes e até todo o mundo será castigado de forma indescritível. O empobrecimento ou o castigo muitas vezes é pensado de forma contaminante; não é apenas o doente a ser castigado por suas dívidas ou irá morrer de fome, mas também seus parentes terão igual destino.

O Delírio de Doença depressivo é a crença de ter determinadas doenças, sempre especialmente graves. Devemos estabelecer uma distinção entre este delírio oriundo da depressão, do Delírio Hipocondríaco, que surge na Esquizofrenia ou na Psicose Delirante Persistente, sem a necessária existência de depressão.

Na depressão gravíssima, notadamente naquelas de origem orgânica, vemos ainda um quarto grupo de idéias delirantes depressivas que, embora não tão freqüentes, quando existem permitem estabelecer o diagnóstico: trata-se do niilismo, que corresponde aproximadamente ao Delírio de Negação, o qual não deve ser confundido com as manifestações negativistas. Aqui nada existe mais, nem a instituição, nem o mundo, nem Deus, nem os próprios doentes; eles não comem mas também não se abstém de comer; não possuem nome, não são homens, mulheres, etc.

3. - Delírio de Perseguição Depressivo
No delírio de perseguição depressivo, inicialmente os doentes sentem que as coisas e as pessoas que os cercam se tornaram estranhas. Depois descobrem que certas pessoas lhes dão ou dão a outros, sinais que se referem a si. Alguém tosse para indicar que aí vem o homem que se masturba, que tem idéias obscenas sobre mocinhas, nos jornais aparecem artigos com "claras referências" a eles, nas lojas são "propositadamente mal atendidos", no trabalho "ficam sempre com os serviços mais difíceis", são caluniados às escondidas...

Do ponto de vista psicodinâmico, percebe-se claramente que tais delírios nada mais são que Mecanismos de Defesa, do tipo Projeção, onde os pacientes projetam nos demais aspectos de sua própria auto-estima. Esse aspecto redutível, psicologicamente, reforça o conceito que se tem de idéia deliróide.

No Delírio de Referência Depressivo podem existir organizações inteiras de judeus, negros, maçons, jesuítas, democratas sociais, capitalistas, muçulmanos, etc. que perseguem o paciente, atormentam com vozes, influências somáticas e outras alucinações, roubam seus pensamentos, impõem-lhes outros pensamentos, etc, tal como no delírio de perseguição esquizofrênico. No início do delírio de perseguição depressivo pode existir uma sensação de injustiça superestimada mas que, não obstante, possa realmente ter sido cometida contra o paciente.

Tem-se destacado como forma especial de delírio de perseguição, tanto na Esquizofrenia quanto nos Transtornos Afetivos, chamado de Delírio de Referência. Tais doentes podem julgar como referentes a si mesmos quaisquer observações irrelevantes, como por exemplo, tossir, notícias de jornais ou até acontecimentos cósmicos. Pensam que isto tudo ocorre por causa deles e interpretam-no no sentido da direção de seus pensamentos.

Nas alterações gravíssimas do humor pode ocorrer o Delírio de Referência, tanto quanto na esquizofrenia, porem, nesta última são de natureza primária e nos transtornos afetivos são secundárias.

O Delírio de Referência Depressivo deve ser compreendido a partir dos efeitos dos afetos. Qualquer idéia impregnada de carga afetiva possui uma série de associações até para a pessoa sadia, associações estas que não correspondem à realidade. Quem não se sente observado (supervalorativamente) ao entrar num salão de festas ou quando sai pela primeira vez com um novo uniforme.

Psicodinamicamente, no Delírio de Perseguição Depressivo, a auto-recriminação por desejos indignos e por aspectos indesejáveis da personalidade são projetados no ambiente sob a forma de hostilidade deste ambiente contra o paciente. As insatisfações do deprimido em relação a si mesmo podem ser projetadas no ambiente como sendo insatisfação deste ambiente contra ele, portanto, como hostilidade do meio em relação à si.

Como vimos, a formação do Delírio de Referência Depressivo é facilitada pelo mecanismo de Projeção, usado de forma patológica e que facilmente leva a julgamentos errôneos da realidade. Os motivos hostis e agressivos que o paciente atribui aos outros podem refletir suas próprias inclinações. Também alguns conflitos caracterizados por altas aspirações, sem as devidas qualidades necessárias para alcançá-las, ao lado da incapacidade em aceitar a derrota podem levar à desconfiança, suspeita, mal entendidos, ressentimentos e idéias de perseguição, ligados à depressão. Os Delírios Persecutórios muitas vezes permitem uma atenuação da responsabilidade e podem aliviar a angústia da culpa.

Como uma outra medida para evitar impactos à auto-estima, o paciente com idéias de perseguição pode desenvolver reações compensatórias sob a forma de uma exagerada segurança pessoal. Freqüentemente verificaremos que pessoas que desenvolveram delírios persecutórios mostravam-se, desde a meninice, críticas, introvertidas, desconfiadas e infelizes. Algumas delas foram solitárias, melancólicas e inseguras e não tiveram amigos com quem pudessem fazer confidências.

Existe uma relação entre o nível intelectual e o conteúdo da Idéia Deliróide na medida em que a qualidade dessas idéias depende do conteúdo cognitivo de cada um. Pacientes inteligentes sistematizam suas Idéias Deliróides, misturam-nas com fatos verdadeiros e incorporam-nas em um sistema erigido logicamente, apesar de partirem de premissas falsas.

Nos estados maníacos e depressivos dos pacientes não afetivos, como é o caso das síndromes orgânicas com manifestações afetivas, as idéias delirantes carecem muito mais de sentido e lógica. Expressam-se aqui perturbações intelectuais, especialmente a falta de clareza do pensamento.

Nos Afetivos Bipolares, geralmente as idéias de grandeza são apenas exageros da fantasia cotidiana. Ele é mais inteligente do que aqueles que cuidam dele, é capaz de lutar e vencer uma dúzia de enfermeiros, irá expandir seu negócio, ainda chegará a ser ministro, etc. Entretanto, nas formas maníacas da Paralisia Geral Progressiva (neurolues) o delírio geralmente se transforma logo em absurdo. Nesses casos o paciente tem à disposição grandes exércitos que irão liquidar o hospital e o país em que se encontra, é general, é superdeus, é a mãe de todas as pessoas, de hora em hora o Deus Bem Amado retira de seu corpo bebês, etc.

No depressivo senil o Delírio Secundário costuma ser mais fantástico e bizarro, predominando temas cenestésicos e do esquema corporal, podendo pensar que o seu cérebro sai de sua cabeça, o seu intestino foi substituído por uma cobra, a cabeça é feita de madeira. Aqui podem também desenvolver-se a micromania, as idéias niilistas.

Idéias Superestimadas
Uma variedade benigna das Idéias Deliróides são as Idéias Supervalorizadas, superestimadas ou sobrevalentes. Essas idéias costumam ser errôneas por superestimação emocional ou psicológica, e podem ser igualmente observadas até mesmo em indivíduos psiquicamente normais. Nesses casos, é de todo necessário ressalvar que nem toda Idéia Supervalorizada é forçosamente errônea.

As idéias contidas, por exemplo, nos códigos jurídicos, morais, sociais, nos ideários políticos, nas constituições, estatutos e regimentos, bem como nos preceitos de casta, profissionais, religiosos ou de qualquer outra espécie incluem-se, sem dúvida alguma, na categoria de Idéias Supervalorizadas, embora não sejam, evidentemente, errôneas. Os enamorados, os cientistas, os magistrados, os sacerdotes e afins, também cultivam idéias superestimadas afetivamente, com respeito ao seu amor, à pesquisa científica, à jurisprudência, aos dogmas que obedecem.

As Idéias Supervalorizadas mais contundentes espelham fielmente aquilo que entendemos por sectarismo e fanatismo. Trata-se da adesão afetiva incondicional e a qualquer preço à certas idéias, o que indicaria algo limítrofe da normalidade. De qualquer maneira, o que importa a esse respeito é saber que idéias errôneas por superestimação afetiva ou Idéias Supervalorizadas representam uma variedade atenuada das Idéias Deliróides e podem corresponder, no mais das vezes, a predisposições duráveis e/ou problemáticas da personalidade. Vale ainda acrescentar que, com certa freqüências, os delírios primários podem sobrepor-se à idéias deliróides ou mesmo superestimadas.

Delirium
Do ponto de vista fenomenológico os pacientes com delirium, ou seja, aqueles portadores de algum transtorno mental orgânico, têm alteração da atenção, da memória e conseqüentemente da orientação. Não apresentam pensamento sistematizado, somente fragmentos. Eles parecem não compreender o que se passa a sua volta. Outra peculiaridade é a observada piora noturna e em qualquer situação que diminua o "input" sensorial, já que sua atenção está reduzida. Podem apresentar alterações da psicomotricidade principalmente agitação noturna, retirando equipos de soro, sondas vesicais ou tentando pegar pequenos animais onde não há nada (alucinose visual).

A característica essencial do delirium consiste de uma perturbação da consciência, acompanhada por uma alteração na cognição, desde que não seja sinais de uma demência preexistente ou em evolução. O delirium se desenvolve em um curto período de tempo, de horas a dias, tendendo a flutuar no decorrer do dia. É importante observar que os distúrbios cognitivos em questão são predominantemente do nível de consciência, o que diferencia, por exemplo das esquizofrenias em que há alteração isolada de conteúdo.

 CAUSAS COMUNS DE DELIRIUM

- Drogas: Abstinência de Álcool; Abstinência de Sedativos Distúrbios
- Endócrinos: hipo/hiperglicemis; hipo/hipertiroidismo
- Distúrbios Eletrolíticos: hiponatremia; hipo/hipercalcemia
- Distúrbios Nutricionais: encefalopatia de Wernicke; deficiência de vitamina B12
- Falência de Órgãos Sistêmicos: encefalopatia hepática; uremia
- Meningites: bacteriana; viral; fúngica
- Encefalites: AIDS; herpes simplex
- Distúrbios Vasculares: encefalopatia hipertensiva; hemorragia subaracnóide; infarto cerebral
- Trauma: concussão; hemorragia intracraniana
- Convulsões: estado pós-ictial

O delirium não deve ser entendido como uma doença psiquiátrica primária mas, na verdade, trata-se de uma síndrome consistindo de vários sinais e sintomas neuropsiquiátricos que decorrem de uma perturbação neurológica de causa orgânica. Em idosos, por exemplo, é mais freqüente o delirium ser a manifestação de uma doença física, do que febre ou dor.

Tem existido muita confusão na literatura a respeito dessa síndrome, muito por conta dos diversos sinônimos utilizados, desde psicose orgânica até estado confusional agudo. O DSM-IV preconiza usar apenas o termo delirium.

O delirium tem sua prevalência muito aumentada nos extremos de idade. Está presente em aproximadamente 10%-15% entre os pacientes médico-cirúrgicos internados e, em idosos, chega a aproximadamente 20%. Dada a altíssima prevalência é importante o reconhecimento da doença.

Humor Delirante e Curso do Delírio
Muitas idéias delirantes, especialmente na esquizofrenia, já surgem completas e subitamente na consciência, outras têm um tempo de incubação mais longo, como se carecessem de pródromos. Os pacientes inicialmente sentem como se fossem observados, como se tivessem pecado, como se algo estranho estivesse para acontecer, até que finalmente se instala a certeza do delírio.

Os doentes, durante algum tempo, podem fazer uma série de observações que chamam a atenção, como uma espécie de auto-referência e depois, repentinamente, algo se ilumina, como se tudo tivesse esta ou aquela significação. É possível que o delírio se relacione com os acontecimentos externos, de forma que os pacientes inicialmente compreendem algo de modo correto, por exemplo, um sermão, mas depois de um tempo de incubação de horas até meses, as palavras ouvidas são interpretadas no sentido do delírio.

Muitas Idéias Delirantes, especialmente na esquizofrenia, já surgem completas e subitamente na consciência, outras têm um tempo de incubação mais longo, como se carecessem de pródromos. Os pacientes inicialmente sentem como se fossem observados, como se tivessem pecado, como se algo estranho estivesse para acontecer, até que finalmente se instala a certeza do delírio.

Durante algum tempo os pacientes podem fazer uma série de observações que chamam a atenção, como uma espécie de auto-referência e depois, repentinamente, algo se ilumina, como se tudo tivesse esta ou aquela significação. É possível que o delírio se relacione com os acontecimentos externos, de forma que os pacientes inicialmente compreendem algo de modo correto, por exemplo, um sermão, mas depois de um tempo de incubação de horas até meses, as palavras ouvidas são reinterpretadas no sentido do delírio.

Para Jaspers, contrariando as teorias de subitaneidade, todo Delírio Primário é sempre e necessariamente precedido de um estado em que se misturam o espanto, a incerteza, a intranqüilidade, a confusão a perplexidade incômoda e ansiosa. A todo esse estado Jaspers dá o nome de Humor Delirante.

Esse Humor Delirante é vivido como experiência indescritível. Com freqüência os pacientes nos dizem: "Há qualquer coisa no ar" ... "Essa luz, essa claridade, positivamente, não são comuns. Tudo parece estar tão mudado". Costumam indagar, apreensivamente e reiteradamente: "Que é, hein? Que está havendo?" "Parece tudo tão estranho e tão diferente..." E, por fim, revelando a crescente ansiedade de que se acham possuídos, o pressentimento de um grave perigo que se aproxima, de alguma ameaça oculta, algo que não sabem ao certo o que seja, de onde vem e o que significa, chegando a dizer para o médico ou para os mais íntimos: "É impossível, eu sei, inteiramente impossível que alguma coisa não venha a acontecer! .... Mas, que coisa será essa, afinal?".

Em linhas gerais, o que se entende e como Humor Delirante é como um esquema mental ainda vazio e oco, uma estrutura ainda sem conteúdos definidos que tende a diluir-se com o aparecimento do delírio primário franco.

O desenvolvimento e duração das Idéias Delirantes variam muito. As Idéias Deliróides oscilam naturalmente ao sabor do estado que as causou e desaparecem com esse estado. As Idéias Delirantes, do Transtorno Delirante Persistente (Paranóia, Parafrenia...), são consideradas idéias fixas, modificando-se pouco ou nada em décadas e praticamente não desaparecem. Isso acontece bem menos constantemente na Esquizofrenia, mas pode ocorrer. As Idéias Delirantes, corrigidas na Esquizofrenia depois do surto, não são esquecidas e colocadas de lado, podendo ser relembradas ao gosto do paciente, porém, sem a convicção própria do delírio franco.

Relativamente ao curso dos delírios, estes distinguem-se em agudos e crônicos, intermitentes ou recidivantes, estáveis e progressivos e alguns outros. Entretanto, apesar da longa descrição sobre essas peculiaridades, muito pouca utilidade prática ou clínica se pode subtrair disso.

Estrutura dos Delírios 
No que se refere à sua estrutura, é lícito e tradicional distinguir os delírios ditos Sistematizados dos Não-Sistematizados.

Os Delírios Sistematizados pressupõem uma elaboração da realidade refletindo relativa claridade de consciência, havendo aqui coerência interna entre a premissa e o tema constitutivo da fábula delirante. Acontecem, habitualmente, nas Esquizofrenias Paranóides e nas Psicoses Delirantes Persistentes.

Os Delírios Não-Sistematizados, ao contrário carecem dessa organização (conhecidos também como Delírios Desorganizados), mostrando-se, via de regra, frouxos, fragmentários, descontinuados, desarticulados, sem concatenação e sem lógica. Podem ocorrer nas Esquizofrenias em geral e, em menor freqüência, no tipo paranóide que nos outros.

Tanto Delírios Sistematizados, quanto Delírios Não-Sistematizados podem ser simples, quando constituídos de um só tipo de idéias mórbidas, seja de prejuízo, de ciúme ou de auto-acusação, ou complexos, que é mais comum, quando em sua contextura se associam idéias delirantes múltiplas e polimorfas, tais como de perseguição e de influência, de perseguição e de grandezas, etc.

Em se tratando de delírio persecutório, podem-se distinguir ainda o delírio singular e o pluralizado. No singular, todo o delírio de perseguição é constituído à base de um perseguidor único, que é o elemento decisivo e que, embora possa se desdobrar em muitos outros, é quem detém em suas mãos todos os fios do complô. No pluralizado dominam a cena perseguidores vários e anônimos, relatados no mais das vezes, simplesmente de inimigos ou, ainda, personificados em grupos sociais identificáveis, como por exemplo, a polícia, os maçons, os jesuítas, a Igreja, os comunistas, etc. Com exceção dos tipos Sistematizados e Não-Sistematizados, o restante das classificações estruturais têm utilidade clínica duvidosa, parecendo mais uma erudição pedante do que uma cultura médica.

Fenomenologia dos Delírios
Para Jaspers, são três os fenômenos que identificam a existência de uma Vivência Delirante Primária: Percepções, Representações e Cognições Delirantes.

1.- Percepções Delirantes
Neste caso, o delírio se forma a partir de fenômenos sensoriais perceptivos. Há uma tendência interna e irreprimível em elaborar significações delirantes dos fatos senso-perceptivos normais. Não raro, que essa compulsão consciente suceda à vacuidade caótica e torturante do humor delirante, trazendo, de algum modo, um certo alívio ao paciente, ao abrir-se-lhe a perspectiva das primeiras certezas.

De acordo com a definição da Percepção Delirante de Jaspers, podemos referir o exemplo de um paciente que, ao ver alguém correndo pela rua, logo lhe acode idéia de que aquilo pode significar o fim do mundo ou, outro paciente que, ao entrar no ônibus, imediatamente percebe o olhar fixo do cobrador, como se dissesse tacitamente que é um homossexual.

Importa, neste ponto, distinguir a verdadeira Percepção Delirante, conhecida também por Delírio de Observação, da chamada Interpretação Deliróide. Kurt Schneider, acentua que o Delírio Primário deve ser claramente emancipado de toda sorte de apreciações falsas ou errôneas da realidade nascidas de distimias ou de sobrevalências afetivas, portanto, não deve ser concebido de outras vivências.

Assim, pois, não será exato falar em Percepção Delirante, por exemplo, no caso de alguém que vá caminhando à noite por uma rua, triste e amargurado e, ao ver, apagarem-se as luzes do quarteirão de repente, sinta-se momentaneamente invadido pelo pressentimento de que alguma desgraça tenha acontecido à sua amada. Essa vivência é compreensível, levando-se em conta o estado de ânimo, deprimido e ansioso, desse indivíduo. O mesmo se pode dizer, dos inúmeros casos de Interpretação Deliróide por projeção do sentimento de culpa.

Para gravar bem essa questão, vamos falar, de um lado, da Percepção Delirante e de outro, da Percepção Deliróide. Na realidade, pode-se afirmar que na Percepção Delirante não há interpretação falsa da realidade, mas sim, novas relações que irrompem sem motivação externa ou interna compreensível, originando conexões significativas novas, na captação dos fatos da realidade. É extremamente importante considerar esses dois casos à luz dos conhecimentos sobre o perfil afetivo do paciente, bem como de sua realidade circunstancial. Na Percepção Deliróide, a significação daquilo que é percebido pelos sentidos é sempre secundariamente atribuída ao objeto percebido de acordo com a tonalidade afetiva em pauta ou a alguma outra circunstância especial.

Percepções Delirantes bastante típicas referidas por Jaspers, são as ocorrências de uma sua doente, que vê na rua uns homens uniformizados, e conclui, incontinentemente: "são soldados espanhóis". Logo adiante, vê outros, com os mesmos uniformes, e pensa: "são soldados turcos; estão reunidos aqui; é uma guerra mundial". Para um doente esquizofrênico (Delírio Primário), a visão de "uma mesa com pés torneados significa que todo mundo está maluco". Outra, Percepções Delirantes: "O boné vermelho do chefe-da-estação queria dizer: eu te reconheço". E mais ainda: "Mal cheguei à cidade, logo percebí que todo mundo ali já me conhecia".

Para valorizar a semiologia dos delírios Kurt Schneider, chega a dizer que "onde aparece o delírio verdadeiro, aí se encontra a sintomática esquizofrênica e, mesmo à falta de etiologia demonstrável, clinicamente a esquizofrenia está presente". Por causa disso, devemos ter a sensibilidade suficiente para distinguir o Delírio Primário das Idéias Deliróides e, sabendo diferenciar esses dois fenômenos podemos, com alguma ressalva, aceitar a afirmativa de Schneider .

2. - Representações Delirantes
Consistem na atribuição de significações extravagantes, inverídicas, falsas e surpreendentes a certas reminiscências, que, de regra, assaltam repentinamente a lembrança do paciente. Essas lembranças de acontecimentos remotos, apesar de quase sempre reais, são sistematicamente deformados pelo colorido doentio do paciente. Como exemplo, cita Jaspers o caso de certo paciente a quem ocorre, de súbito, a idéia de que bem poderia ser ele o filho do Rei Luiz (da Baviera) e, para corroborá-lo, refere a maneira com que aquele monarca o olhara do alto de sua montaria, durante um desfile militar, há várias dezenas de anos atrás.

Com as características do exemplo acima, vê-se que as Representações Delirantes guardam apenas uma longínqua e indireta relação com as percepções, enquadrando-se preferentemente no grupo das "representa-ções espontâneas", muito mais relacionada à memória que à percepção. Apesar dessa diferença, as vezes sutil, reconhece-se a possibilidade de confusão semiológica de tal Vivência Delirante Primária das Representações Delirantes com as Representações Deliróides, onde as reminiscências são retocadas pela tonalidade afetiva atual.

3. - Cognições Delirantes
Sob essa designação incluem-se certas convicções intuitivas que surgem inesperadamente, sobretudo no início de surtos psicóticos agudos, vivências que, não raro, se mantêm, arraigadas e firmes, durante largo tempo. O característico dessas vivências é que, em contraste com as anteriores, elas prescindem, por completo, de conexões significativas com quaisquer dados perceptivos ou representativos concretos, ocorrendo antes à guisa de intuições puras atuais. É o que pode se evidenciar no seguinte relato do tipo: "Súbito, eu me dei conta de que a situação significava qualquer coisa de mau, mas eu não sabia o que".

O mesmo se verifica, neste outro exemplo, em que a paciente se revela repentinamente tomada da tranqüila convicção de sua alta linhagem: "sabia que era filha do Presidente da República", certeza que se instala sob a forma de uma evidência interna imediata, isto é, que não lhe vem de qualquer interpretação, suposição ou reflexão crítica ou lógica, referente a acontecimentos vividos.

Caracteriza-se igualmente como Cognição Delirante, por exemplo, a vivência experimentada por um paciente que, acometido de súbita alteração, sai para a rua, dizendo: "Eu sou o filho da estrela dAlva". Algumas vezes, contudo, essas cognições aparecem em estreita consonância com a temática delirante, ligando-se então, incidentalmente, a acontecimentos implicados no delírio. Esse tipo de Cognição Delirante ligada à temática do próprio delírio se observa, por exemplo, em pacientes obcecados com a Bíblia. Jaspers cita o caso de certa jovem que, ao ler o episódio da Ressurreição de Lázaro, sente-se, de repente, ela própria, encarnada na pessoa de Maria. Daí em diante assume o delírio onde sua irmã é Marta, Lázaro é um primo seu e passa a viver, com grande intensidade, o acontecimento narrado na Bíblia.

Além da esquizofrenia, também na Erotomania (um dos tipos de Psicose Delirante Persistente), as Cognições Delirantes podem sobrevir ligadas a acontecimentos fortuitos, correlatos ou não, os quais passam a ser tidos como ponto de partida para a construção mórbida do delírio. Será pois, um delírio de natureza primária, considerando não haver razão suficiente para a sua compreensão. Nesses casos, um "sei que a apresentadora de TV me ama...", como tantas vezes o erotômano inicia o seu delírio, é nada mais que uma cognição delirante à partir de uma assertiva que só existe em sua intuição.

Neurobiologia dos Delírios
A questão neurobiológica dos delírios envolve o conhecimento dos neuroreceptores da dopamina, portanto, é bom conhecermos alguma coisa deles. Ensaios com ligantes específicos levaram a várias classificações desses receptores. A mais relevante para nosso propósito é a classificação de Kebabian e Calne que os subdividiram em dois tipos, designados D1 e D2, respectivamente .

O receptor D1 está ligado à enzima adenilciclase e tem maior afinidade por antagonistas do que por agonistas dopaminérgicos. Já o receptor D2 não está ligado à adenilciclase e tem alta afinidade tanto por agonistas como por antagonistas. Os efeitos dos neurolépticos clássicos, seja no animal de laboratório ou no homem, se correlacionam com o receptor D2.

Assim, as butirofenonas e sobretudo o sulpiride, têm pouca potência para antagonizar o aumento de AMP cíclico causado pela dopamina, efeito este mediado pelo receptor D1. Ao contrário, sua afinidade pelo receptor D2, medida pelo deslocamento do espiroperidol marcado radioativamente, guarda estreita correlação com a potência clínica. Enfim, as funções dopaminérgicas parecem ser mediadas por receptores D2 e o significado funcional dos receptores D1 não está satisfatoriamente esclarecido.

A liberação de dopamina é modulada por receptores pré-sinápticos, localizados nos terminais nervosos, denominados auto-receptores. Estes auto-receptores são do tipo D2 e são muito sensíveis aos efeitos da dopamina ou da apomorfina que os receptores pós-sinápticos. Eles são ativados por agonistas dopaminérgicos levando a uma redução na síntese e liberação de dopamina pelos terminais nervosos, que é o que interessa para o tratamento da Esquizofrenia, como se fosse um mecanismo de retro-alimentação. Por causa desse fato então, acredita-se que os agonistas de auto-receptores possam se opor ao hiperfuncionamento do sistema dopaminérgico.

Assim sendo, a proposta para a abordagem terapêutica de distúrbios neuropsiquiátricos resultantes da hiperfunção dopaminérgica tem sido a estimulação do auto-receptor da dopamina (no neurônio pré-sináptico) associada ao bloqueio dos receptores dopamínicos pós-sinápticos

Mas, embora a dopamina pareça estar envolvida no aspecto bioneurológico da Esquizofrenia, existem algumas restrições à esta hipótese isoladamente. Dados atuais de imagem funcionais têm apoiado também importante papel da disfunção dos gânglios da base na gênese de sintomas delirantes dos esquizofrênicos. Pesquisas nesta área mostram uma relação consistente entre a atividade estriatal elevada e a gravidade dos sintomas psicóticos.

Além disso, a maioria dos estudos revisados mostra, concomitante às ações dos gânglios da base, também anomalias metabólicas em outras áreas, incluindo o córtex pré-frontal, regiões têmporo-límbicas e talâmicas. Observou-se que os efeitos metabólicos induzidos pelos antipsicóticos também se estenderam desde os gânglios da base até as áreas corticais e talâmicas. Estas descobertas apóiam a noção de que os Delírios Primários da Esquizofrenia estão relacionados ao distúrbio no funcionamento dos circuitos córtico-estriado-tálamo-corticais no cérebro.

A heterogeneidade de populações de células nervosas que contêm a dopamina determinam diferenças funcionais entre as diversas vias dopaminérgicas, fato constatado por 3 observações:

1) As drogas antipsicóticas clássicas, quando administradas durante algumas semanas a um animal induzem um bloqueio de despolarização ou inativação da maioria das células A9 e A10, enquanto drogas antipsicóticas atípicas (por exemplo, clozapina) administradas repetidamente inativam somente neurônios A10, que se projetam para o sistema límbico.
2) Após 7 meses de tratamento contínuo com antipsicóticos haverá uma subpopulação de células dopaminérgicas (DA) que continua espontaneamente ativa. Estas são neurônios resistentes aos antipsicóticos e se projetam para o córtex pré-frontal ou para o córtex cingulado. Eles são, portanto, neurônios mesocorticais. Como veremos posteriormente estas células nervosas são desprovidas de autoreceptores somato-dendríticos, isto é, receptores que funcionam na regulação do ritmo de disparos, ou seja, da atividade dos neurônios dopaminérgicos. No entanto, ainda não está claro até que ponto a ausência destes receptores está associada à insensibilidade destes neurônios à terapêutica prolongada com antipsicóticos.
3) Um dos efeitos adversos mais comuns dos antipsicóticos é a produção de sinais de parkinson destroem células dopaminérgicas A9, enquanto as A10 não são significativamente afetadas.

1. Hipótese Dopaminérgica
A década de 50 propiciou o surgimento da chamada Psiquiatria Biológica, a qual formula hipóteses sobre as possíveis bases biológicas das doenças mentais a partir do mecanismo de ação das drogas psicotrópicas. A sintomatologia positiva da Esquizofrenia, objeto do tratamento medicamentoso, é representada pelos delírios e pelas alucinações.

Logo, as implicações bioquímicas relacionadas à melhora do quadro esquizofrênico se referem, diretamente, às implicações bioquímicas dos delírios e alucinações. Assim sendo, vamos aplicar aos Delírios Primários da Esquizofrenia o mesmo raciocínio empregado para a visão bioquímica da própria Esquizofrenia.

Estudos pós-mortem mostraram também maiores concentrações de dopamina e seu metabólito, o ácido homovanílico - HVA, no núcleo estriado de pacientes esquizofrênicos, comparados com indivíduos normais. Elevações na concentração de dopamina e HVA também foram relatadas na amídala, restrita ao hemisfério esquerdo. Estudos pós-mortem de tecido estriatal em esquizofrênicos, utilizando ligantes marcados radioativamente, detectaram sinais elevados de ligações a receptores de dopamina D2, mas não D1, sugerindo hiperdensidade ou hipersensibilidade dos receptores D2 de dopamina.

Os últimos estudos, no entanto, detectaram anomalias menores, incluindo a perda no declínio normal idade-dependente do receptor D2 em pacientes esquizofrênicos e uma assimetria lateralizada esquerda da ligação D2, mais pronunciada em pacientes do sexo masculino.

Essa teoria dopaminérgica é apoiada por evidência farmacológica indireta, isto é, a correlação entre a eficácia clínica de agentes antipsicóticos típicos e sua habilidade para antagonizar os receptores dopamínicos do tipo D2 e, contrariamente, a habilidade da anfetamina e outros agonistas de dopamina para induzir ao delírio. A Hipótese da Dopamina prediz também o envolvimento crítico dos gânglios da base na neuroquímica dos Delírios Primários da Esquizofrenia, já que essas estruturas possuem a concentração mais alta de receptores D2 de dopamina no cérebro.

As drogas anti-psicóticas, também conhecidas como neurolépticas, portanto, atuam reduzindo a atividade dopaminérgica no SNC e as principais vias dopaminérgicas envolvidas nas ações dos neurolépticos são o Sistema Mesotelencefálico e o Sistema Diencefálico.

T.J. Crow, estudando a correlação entre os efeitos dos neurolépticos e o antagonismo de receptores dopaminérgicos, propõe uma delimitação da hipótese dopaminérgica, restringindo-a somente aos sintomas positivos da Esquizofrenia e, entre eles, os delírios e pensamentos incoerentes, característicos dos surtos agudos da doença. Em concordância com esta idéia, uma investigação post-mortem em Esquizofrênicos utilizando ligantes específicos, mostrou uma correlação positiva entre sintomas positivos e aumento de receptores D2.

Embora não seja propósito desse trabalho, apenas como curiosidade, devemos citar que diversos estudos radiológicos utilizando tomografia computadorizada revelaram uma associação dos sintomas negativos com alterações morfológicas, sobretudo com a dilatação dos ventrículos laterais do cérebro ao invés do aumento de receptores D2. Com base nessas evidências, Crow sugeriu a subdivisão da esquizofrenia em dois tipos:

O Tipo I, que seria uma psicose funcional, provavelmente devida à hiperatividade dopaminérgica, manifesta por sintomas positivos e revertida pelos neurolépticos;
O Tipo II, uma psicose orgânica tipo demência, isto é, com prejuízo cognitivo persistente e irreversível, possivelmente devida a uma encefalite crônica, manifestando-se por sintomas negativos, resistentes aos medicamentos antipsicóticos e com alterações morfológicas, sobretudo com a dilatação dos ventrículos laterais.

2. Hipóteses Não-Dopaminérgicas
O fato de medicamentos antipsicóticos típicos e atípicos interagirem mais fortemente com outros sistemas de receptores cerebrais além do sistema D2 de dopamina, levaram os investigadores a buscar mecanismos neuroquímicos alternativos que também possam contribuir para o aparecimento da sintomatologia da Esquizofrenia e, entre eles dos Delírios Primários. Várias das propostas alternativas implicaram o envolvimento primário ou secundário dos gânglios da base.

1. Outros receptores além do D2
Uma possibilidade é de que os subtipos de receptores de dopamina, que não os receptores D2 clássicos, estejam envolvidos. Dois novos subtipos da subfamília do receptor D2 de dopamina foram caracterizados recentemente utilizando técnicas de biologia molecular; os receptores D3 e D4.

2. Déficit de GABA
Outra possibilidade são os sistemas neurotransmissores diferentes da dopamina envolvidos na gênese dos sintomas (delírios) esquizofrênicos. Um candidato seria o GABA (ácido gama amino butírico), considerado um neurotransmissor inibitório. Estudos farmacológicos e anatômicos sugerem que as projeções GABAérgicas do estriado inibem os neurônios dopaminérgicos no mesencéfalo.

Em relação às interações entre o sistema dopaminérgico e processos mediados por outros neurotransmissores cabe aqui ressaltar as chamadas alças de retro-alimentação negativa. Na mais conhecida delas, a dopamina liberada estimula receptores dopaminérgicos pós-sinápticos situados em neurônios colinérgicos. Estes fazem sinapses com neurônios GABAérgicos que, por sua vez, inibem os neurônios liberadores de dopamina.

Acredita-se que estas alças de retro-alimentação constituem a maior influência modulatória sobre a atividade de neurônios dopaminérgicos na substância negra e que uma deficiência de GABA em vias límbicas pode estar envolvida em algumas formas de esquizofrenia A inibição farmacológica dessa via aumenta a atividade da dopamina no estriado ventral e leva ao comportamento psicose-símile em animais. Esses achados levaram à hipótese de déficit de GABA na esquizofrenia, a qual propõe que a deficiência na inibição GABAérgica é o distúrbio primário que subjaz a atividade estriatal dopaminérgica excessiva no transtorno .

3. Diminuição da atividade do Glutamato
Um outro mecanismo neuroquímico para a patogênese da sintomatologia esquizofrênica é a diminuição na atividade do glutamato, o principal neurotransmissor excitatório do córtex cerebral. A fenciclidina (PCP), um antagonista do tipo N-metil-D-aspartato (NMDA) de receptores de glutamato, tanto quanto a anfetamina, induz estados delirantes. A noção de mecanismos glutamatérgicos deficientes harmoniza-se com a evidência de anomalias anatômicas corticais e com descobertas de transmissão dopaminérgica alterada na esquizofrenia.

Os terminais excitatórios do córtex cerebral e aferências dopaminérgicas inibitórias convergem para os mesmos neurônios de projeção no corpo estriado e exercem influências odulatórias um sobre o outro. De acordo com a proposição de Carlson & Carlson, um desequilíbrio na transmissão dopaminérgica e glutamatérgica no estriado poderia ser a anomalia neuroquímica crítica nsintomas da Esquizofrenia, levando à desinibição de circuitos córtico-estriato-tálamo-corticais e conseqüentemente à hipervigilância, à sobrecarga de informação e Delírios Primários da Esquizofrenia.

4. Hipótese Serotoninérgica
Desde a descoberta do LSD, várias tentativas têm sido feitas no sentido de explicar sua ação e a de outros alucinogênicos no SNC. O trabalho pioneiro de Aghajanian, mostrou que o LSD atua como agonista de auto-receptores de corpos celulares, diminuindo a frequência de disparo de neurônios serotoninérgicos da rafe dorsal e a conseqüente liberação de serotonina (5-HT) nos terminais nervosos.

Atualmente, sabemos que indivíduos que apresentam baixos níveis liquóricos do ácido 5-hidroxündolacético (5-HIAA), principal metabólito da serotonina, apresentam sinais de impulsividade e são propensos a cometer atos violentos contra si próprios ou contra terceiros. Baixos níveis no cérebro de 5-HIAA também têm sido associados à sintomas da Esquizofrenia.

Outra linha de evidências que pode implicar a 5-HT na Esquizofrenia refere-se a compostos que são antagonistas seletivos dos receptores do tipo 5-HT3. B. Costall e colaboradores verificaram que, da mesma forma que os neurolépticos, estes compostos eram capazes de antagonizar a hiperlocomoção cerebral têm revelado consistentes alterações estruturais do cérebro, tais como dilatação ventricular e adelgaçamento cortical, de forma a tornar-se cada vez mais forte a tendência a considerar a Esquizofrenia como uma doença neurológica associada a distúrbios do desenvolvimento cerebral.

3. Hipofunção Frontal e Pré-frontal
Para facilitar a compreensão entre os Delírios Primários da Esquizofrenia e a patologia cerebral subjacente, Mortimer e McKenna se utilizaram de pesquisas neuropsicológicas. Os testes neuropsicológicos combinados com técnicas funcionais de imagem também podem ajudar a construir a ponte entre os processos psicológicos anormais que fundamentam os sintomas esquizofrênicos, incluindo o delírio, e as alterações neuroquímicas no distúrbio.

Os de testes neuropsicológicos detectaram invariavelmente déficits significativos em pacientes esquizofrênicos delirantes. Nestes, as alterações de lentificação lembram a Doença de Parkinson e outras demência subcorticais , mas as compatíveis com o comprometimento do lobo frontal tendem a ser mais proeminentes.

Emil Kraepelin, neuropsiquiatra alemão, no fim do século passado foi o primeiro a sugerir que danos nos lobos frontais seriam subjacentes às manifestações clínicas da demência precoce, tais como distúrbio do raciocínio, incapacidade de planejamento, embotamento emocional, delírio e perda do juízo crítico.

Sintomatologicamente, os pacientes esquizofrênicos que manifestam déficit gradual das funções cognitivas e do desempenho social, ao lado da desmotivação, anedonia, perda do senso de responsabilidade, delírio e perda do juízo crítico, são fenomenologicamente similares aos pacientes com danos do córtex pré-frontal.

Ao lado dessa questão clínica, estudos com imagens computadorizadas do cérebro e do metabolismo da glicose em áreas frontais, bem como com tomografia por emissão de pósitrons, têm mostrado evidências diretas de redução da atividade do córtex frontal em pacientes esquizofrênicos. Com utilização destas técnicas verificou-se uma redução do fluxo sanguíneo e do metabolismo regional, tanto em condições de repouso quanto em várias situações de estimulação sensorial ou cognitiva.

Em relação ao córtex pré-frontal, seu hipometabolismo correlaciona-se com a severidade do quadro clínico dos pacientes esquizofrênicos. De particular interesse nesta questão são os efeitos clássicos do medo condicionado. Vários laboratórios têm demonstrado que o sistema dopaminérgico mesocortical pré-frontal é ativado pelo medo condicionado, enquanto que outros sistemas dopaminérgicos mesotelencefálicos não o são. Até que ponto esta característica diferencial pode estar associada à ausência de auto-receptores no sistema dopaminérgico mesocortical ainda precisa ser investigada.

De qualquer forma, sabe-se que o sistema dopaminérgico pré-frontal parece estar sob a influência do GABA, principal neurotransmissor inibitório do SNC, uma vez que o diazepam e o lorazepam bloqueiam a sua ativação notadamente induzida pelo stress. Além disto, da mesma forma, agonistas de receptores GABA agem no mesmo sentido do stress, produzindo um aumento dose-dependente no metabolismo da dopamina no córtex pré-frontal. A associação entre mecanismos dopaminérgicos e ansiedade é fortalecida pelo fato de certos pacientes com ansiedade beneficiarem-se da terapêutica com baixas doses de neurolépticos.

O córtex pré-frontal possui importantes funções cognitivas bem desenvolvidas na espécie humana, sendo essencial para a formulação de planos de ação, à projeção de metas futuras e à supervisão e controle dessas ações. Ele também é importante para a regulação das emoções por instruções simbólicas, inclusive verbais.

Devido ao fato do córtex pré-frontal ser responsável pela contactuação com a realidade (cognição), nos delírios essa atividade está seriamente comprometida. Além disto, o uso de técnicas como o PET ou o SPECT revelaram déficits no funcionamento do córtex pré-frontal de pacientes delirantes, principalmente durante a execução de tarefas que demandam a ativação desta região, como por exemplo, a atenção seletiva.

Além da hipofrontalidade, os estudos revelam também sinais de hiperfuncionalidade subcortical, sobretudo na região dos gânglios da base. Nesta mesma direção estão os achados que indicam que alterações patológicas nos lobos frontais em alguns esquizofrênicos podem estar associadas com a supersensibilidade de receptores DA no sistema mesolímbico e nigroestriatal. Apoiando esta idéia situam-se os estudos post-mortem conduzidos por L. Farde e cols, demonstrando que a densidade de receptores D2 e a concentração de dopamina no córtex frontal é extremamente baixa em comparação com o número destes receptores nos sistemas mesolímbico e nigroestriatal.

Estes autores admitem que a hiperatividade dopaminérgica nos últimos sistemas possa ser um mecanismo compensatório para a disfunção mesocortical. Tais evidências permitem conjecturar ainda sobre uma possível associação da hipofrontalidade com os sintomas negativos e da hiperfunção subcortical com os sintomas positivos da esquizofrenia.

4. Deficiência de monitoração interna do SNC
Recentemente, os modelos neuropsicológicos de esquizofrenia procuram descrever os processos psicológicos anormais subjacentes aos sintomas delirantes, e relacionam então esses processos à disfunção de circuitos neuronais específicos no cérebro. Os sintomas delirantes e alucinatórios, por sua vez, foram propostos como reflexo de uma deficiência na monitorização interna que leva os pacientes a atribuir erroneamente suas próprias ações às fontes externas.

Esse déficit poderia ser causado por uma falha de comutação das intenções auto-geradas do córtex pré-frontal para um centro monitor no hipocampo que avalia e detecta erros em programas de ação em andamento. Os sítios da disfunção caracterizada por essa deficiência na monitorização interna deve-se, segundo Frith e Donne, às conexões anatômicas existentes entre o córtex cingulado e o giro parahipocampal . Anomalias estriatais também contribuem para a deficiência na monitorização interna e a relação entre essas atividades estriatais aumentadas e a gravidade de sintomas del;irantes e alucinatórios puderam ser detectados na tomografia por emissão de pósitron (PET) do fluxo sangüíneo cerebral (FSC) e estudos SPECT de repouso .

5. Disfunções dos Gânglios da Base e Delírios
Pacientes esquizofrênicos com histórias recentes de delírios e alucinação apresentaram fluxo sangüíneo excessivo nos gânglios da base esquerdos durante o exercício de ativação, enquanto os pacientes sem delírios e alucinações e os controles sadios tenderam a mostrar reduções FSC naquela área .

Os sintomas psicóticos de delírio são freqüentemente observados em outras condições psiquiátricas além da esquizofrenia, como por exemplo a mania, depressão, psicoses persistentes, reativas breves e orgânicas, e podem responder eficientemente aos medicamentos antipsicóticos. Portanto, a disfunção dos gânglios da base e suas conexões com o córtex pode ser relevante para a fisiopatologia dos sintomas psicóticos em geral, em vez de ser específica aos transtornos esquizofrênicos .

Estudos funcionais por imagem in vivo em transtornos psicóticos não-esquizofrênicos são necessários para confirmar a possibilidade apresentada previamente. Há, por exemplo, registros de alterações metabólicas dos gânglios da base nos Delírios Secundários (Deliróides) dos transtornos afetivos , mas nenhum estudo se referiu especificamente à relação entre os sintomas psicóticos e a disfunção regional nestas condições.

Curiosamente, no entanto, um estudo recente C-NMSP PET de Pearlson et al avaliou padrões de ligação do receptor D2 estriatal em pacientes psicóticos não medicados e pacientes não psicóticos sofrendo de transtornos afetivos bipolares comparados com controles normais. Elevações estriatais D2 significativas foram encontradas apenas no grupo de pacientes com sintomas psicóticos e foram relacionadas especificamente à gravidade destes sintomas. Essas descobertas sugerem que as anomalias do receptor D2 de dopamina in vivo estão envolvidas na gênese dos sintomas psicóticos em condições diferentes da esquizofrenia e enfatizam a função relevante da disfunção dos gânglios da base na fisiopatologia da psicose em geral.

As descobertas revisadas por Eurípedes, Scott e James sugerem que as anomalias dos gânglios da base estão envolvidas na fisiopatologia de síndromes delirantes em geral e da esquizofrenia em particular. Além do enfoque sobre os gânglios da base como sendo relacionado à sintomatologia psicótica, também se evidencia a relevância dos circuitos córtico-estriado-tálamo-corticais disfuncionais na gênese desses quadros.

6. Bloqueio da transmissão de Dopamina e ação anti-delirante
Inúmeros relatos clínicos e de laboratório implicam o bloqueio de receptores dopaminérgicos como responsável pela ação anti-psicótica e anti-delirante dos neurolépticos. Com base nessas observações sugeriu-se que o hiperfuncionamento da transmissão dopaminérgica no SNC esteja subjacente aos Delírios Primários da Esquizofrenia. São várias as evidências que a apóiam, embora existam também argumentos contrários a esta hipótese.

 Os principais pontos a favor do bloqueio da transmissão de dopamina

 1) A capacidade de agonistas dopaminérgicos indiretos, tais como a anfetamina e a cocaína, em dar origem ou exacerbar os Delírios Primários da Esquizofrenia.
2) Os neurolépticos promovem um aumento dos níveis do ácido homovanílico (AHV), produto da degradação enzimática da DA no cérebro, sem contudo, alterarem os níveis de DA no tecido nervoso. Este efeito reflete a aceleração da taxa de renovação (turnover) da dopamina, que é uma resposta adaptativa compensatória ou de retroalimentação negativa ao bloqueio dos receptores pós-sinápticos dopaminérgicos.
3) Tem-se demonstrado de forma inequívoca que vários agentes antipsicóticos apresentam alta afinidade por receptores dopaminérgicos do tipo D2 (ver abaixo), através da medida de sua capacidade em deslocar o haloperidol radiomarcado ou seu derivado mais potente o espiroperídol. Atualmente isto já pode ser demonstrado com a tomografia computadorizada baseada na emissão de pósitrons (PET) ou fótons (SPECT). Alguns estudos indicam existir uma correspondência significativa entre esta propriedade dos antipsicóticos e sua potência clínica.
4) Vários relatos indicam um número elevado de receptores D2 em cérebros esquizofrênicos tanto post-mortem quanto in vivo. Embora não se possa excluir a influência da medicação neuroléptica, que induz proliferação destes receptores, o fenômeno também foi constatado em cérebros de alguns pacientes não tratados com estas drogas.
5) O bloqueio dos mecanismos de armazenagem do neurotransmissor, através da reserpina ou por inibidores da síntese de dopamina por meio da alfa-metilparatirosina, também inibe as manifestações de Delírios Primários da Esquizofrenia.

Todas estas evidências dão suporte á noção de que a dopamina está envolvida na patogênese de Delírios Primários da Esquizofrenia. A liberação excessiva de dopamina induzida por anfetamina ou 1-DOPA, por exemplo, pode determinar ou agravar estados delirantes, mania e distúrbios do tipo esquizofrenia paranóide. A associação entre a ação dos neurolépticos e o bloqueio de receptores da dopamina no sistema límbico é ainda confirmada por estudos eletrofisiológicos que indicam que a aplicação iontoforética destes compostos no núcleo accumbens antagoniza a depressão da atividade celular induzida pela aplicação de agonistas da dopamina. Além disto, ensaios com ligantes específicos mostram que a maioria dos neurolépticos liga-se especificamente aos sítios da dopamina (receptores D2) dentro do sistema límbico.

 

para referir:
Ballone GJ - Delírios in. PsiqWeb, Internet, disponível em www.psiqweb.med.br, revisto em 2008.

Bibliografia:

1. Ballone GJ, Ortolani IV, Perira Neto E - Da Emoção à Lesão, Manole, 2a. ed., SP, 2002
2. Busatto GF, David AS, Costa DC, et al: Schizophrenic auditory hallucinations are associated with increased regional cerebral blood flow during verbal memory activation in a study using single photon emission computed tomography. Psychiatry Res Neuroimaging 61:255, 1995.
3. Carlsson M, Carlsson A: Schizophrenia: a subcortical neurotransmitter imbalance syndrome? Schizophr Bull 16:425, 1990.
4. Cleghorn JM, Franco S, Szechtman B, et al: Toward a brain map of auditory ¬hallucinations. Am J Psychiatry 149:1062, 1992.
5. Crow, TJ Johnstone, EC: Monoamine mechanisms in chronic schizophrenia: post-mortem neurochemical findings. British Journal Psychiatry, 134:249-156, 1979.
6. Crow, TJ: The continuum of psychosis and its genetic origins: the sixty-fifth Maudsley lecture. British Journal of Psychiatry, 156:788-797, 1990.
7. Crow, TJ: Two syndromes in schizophrenia? Trends in Neurosciences, 5:351-354, 19R2.
8. Eurípedes CM, Scott LR, James FL – Neuropsiquiatria dos Gânglios da Base, Lemos Editorial, p.290, 1998.
9. Farde L., Wiesel F.A: Central D2-dopamine receptor occupancy in schizophrenia patients treatch with antipsychotic drugs. Archives of General Psychiatry, 45: 71-78, 1988.
10. Frith CD, Donne DJ: Towards a neuropsychology of schizophrenia. JPsychiatry 153:437, 1988
11. Gray JA, Feldon J, Rawlins JNP, et al: The neuropsychology of schizophrenia. Behav Brain Sci 14:1, 1991.
12. Jakob H, Beckmann H: Prenatal developmental disturbances in the limbic allocortex in schizophrenics. J Neural Transm 65:303, 1986.
13. Kebabian, JW,  Calne EB: Multiple receptors for dopamine. Nature, 277:93-96, 1979.
14. Kerwin RW: How do the neuropathological changes of schizophrenia relate to pre¬existing neurotransmitter and aetiological hypotheses? Psychol Med 19:563, 1989. Kerwin RW: The new atypical antipsychotics. A lack of extrapyramidal side-effects and new routes in schizophrenia research. Br J Psychiatry 164:141, 1994.
15. Kolb LC: Psiquiatria Clínica, Interamericana, 8ª edição, 1978, p.101
16. Liddle PF, Friston KJ, Frith CD, et al: Patterns of cerebral blood flow in schizophrenia. Br J Psychiatry 160:179, 1992.
17. Mortimer AM, McKenna PJ: Levels of explanation - symptoms, neuropsychological deficit and morphological abnormalities in schizophrenia. Psychol Med 24:541, 1994.
18. Pantelis C, Barnes TRE, Nelson HE: Is the concept of frontal-subcortical dementia relevant to schizophrenia? Br J Psychiatry 160:442, 1992.
19. Pearlson GD, Wong DF, Tune LE, et al: In vivo D2 dopamine receptor density in psychotic and nonpsychotic patients with bipolar disorder. Arch Gen Psychiatry 52:471, 1995.
20. Reynolds GP: Antipsychotic drug mechanisms and neurotransmitter systems in schizophrenia. Acta Psychiatr Scand 89(suppl 380):36, 1994.
21. Van Kammen DP: Gamma-aminobutyric acid (GABA) and the dopamine hypothesis of schizophrenia. Am J Psychiatry 134:138, 1977.
22. Van Tol HHM, Bunzow JR, Guan H-C, et al: Cloning of the gene for a human dopamine D4 receptor with a high affinity for the antipsychotic clozapine. Nature 350:610, 1991. 80. Vita A, Bressi S, Perani D, et al: High-resolution SPECT study of regional cerebral bload flow in drug-free and drug-naive schizophrenic patients. Am J Psychiatry 152:876, 1995.
23. Vita A, Bressi S, Perani D, et al: High-resolution SPECT study of regional cerebral bload flow in drug-free and drug-naive schizop-hrenic patients. Am J Psychiatry 152:876, 1995.




Busca




NEWSLETTER
Receba os boletins informativos do PsiqWeb no seu e-mail

Idéias Delirantes
O texto abaixo, sobre Idéias Delirantes (ou Delírios), é do professor Eunofre Marques, retirado de suas páginas na internet. Veja um trecho:

"
A idéia delirante é um transtorno da ideação onde as idéias surgem com convicção absoluta em si mesmas, sem qualquer derivação da cultura, das crenças e das convicções do indivíduo. Elas brotam como um mundo novo, incrustado como um cisto no mundo interno e completamente autônomo dele.

A idéia delirante surge como uma revelação completa, como uma verdade absoluta por si mesma. Por este motivo, não há qualquer tipo de argumentação que possa submetê-la, pois ela é totalmente acrítica. Nem mesmo as evidências de realidade a demovem. Nisto ela tem uma certa semelhança com os fanatismos, mas difere deles porque as idéias fanáticas surgem perfeitamente inseridos num contexto de crenças e valores, enquanto ela não.

Os conteúdos costumam ter relação com a cultura, a convicção ou o contexto atual em que vive o indivíduo. Assim, se ele for espírita, o conteúdo pode estar relacionado com o espiritismo. Ele também pode, por exemplo, achar-se perseguido pela polícia, que suspeitaria de que ele tivesse cometido algum crime. No entanto, tudo isso se dá com uma convicção própria e, apesar de assemelhar-se com o seu contexto existencial ou atual, nada tem a ver com ele. Mesmo com essas semelhanças, ao nos aprofundar-nos na entrevista a respeito dessas idéias, acaba ficando claro tratarem-se de rupturas de sentido, de idéias não derivadas de nenhum dos seus contextos.

Os delírios podem ser primários, se não derivam de nenhuma outra alteração mental mas aparecem como distúrbios primariamente do pensamento, como é o caso de todos os quadros paranóides - esquizofrenia, desenvolvimento paranóide, reações paranóides, parafrenia, paranóia -, ou secundários, quando derivam de estados mentais prévios facilitadores, como no caso dos delírios maníacos, depressivos e confusionais.

As idéias delirantes primárias são as idéias delirantes verdadeiras, pois elas brotam completamente fora de todo o contexto do indivíduo, surgidas do nada, como idéias novas e que possuem uma dinâmica própria, desvinculada de todo o restante do mundo interno. A existência de idéias delirantes primárias sempre é indicativa de uma patologia de natureza paranóide.

As idéias delirantes primárias apresentam os mais variáveis tipos de conteúdos. As possibilidades são infindas. Alguns deles, como o delírio fantástico, tendem a ser mais freqüentes em determinadas patologias, no caso nas parafrenias, mas podem aparecer em todos os tipos de doenças paranóides.

As idéias delirantes expansivas são as idéias na qual o indivíduo se acredita dono do mundo, com poder de influência sobre tudo, tudo o que acontece ocorre só porque ele quer, tudo depende da sua vontade. Isto ocorre porque, na dissolução da oposição eu-mundo, o indivíduo se torna o centro de referência do universo, o qual deriva diretamente dele.

As idéias delirantes autorreferentes se referem ao fato de tudo o que acontece à volta do indivíduo se referir a ele, as pessoas na rua o estão olhando, pessoas que conversam estão falando dele, o guarda o está observando, etc. É um dos tipos mais freqüentes de idéias delirantes. Um exemplo comum de autorreferência é aquele onde a pessoa acredita que as pessoas no rádio ou na televisão estão falando dela ou com ela. Neste caso, a dissolução da oposição eu-mundo coloca o mundo como referência, sendo que o indivíduo deriva do mundo, ao contrário das idéias delirantes expansivas.

Nas idéias delirantes de grandeza o indivíduo se sente o mais poderoso dos homens, um rei, um imperador ou o comandante das forças armadas. É muito comum o indivíduo se identificar com um personagem importante da história ou de um artista famoso. A caricatura do louco que se acredita ser Napoleão é uma idéia delirante desse tipo.

As idéias delirantes de perseguição também são muito comuns e se caracterizam pelo indivíduo acreditar estar sendo perseguido pela polícia, pelo serviço secreto, pelos vizinhos, pelos chefes no serviço, etc.

As idéias delirantes místicas são aquelas de conteúdo religioso: o indivíduo se acredita Deus ou um profeta (também de grandeza), com poderes de cura ou condenação ao inferno, capaz de realizar milagres, etc.

As idéias delirantes sobrenaturais são aquelas em que o indivíduo acredita ter o poder da telepatia, de mover objetos à distância, de ferir pessoas com o pensamento, etc.

Um dos tipos de idéias delirantes mais bizarro é o das transformações corporais. Nela, o indivíduo acredita por exemplo que o seu braço é de madeira ou plástico, que a sua cabeça tem o triplo do tamanho, que o seu corpo é todo deformado, que existem objetos ou seres vivos em seu interior, como uma serpente no estômago ou um verme dentro da cabeça que devora o seu cérebro lentamente. Elas são próprias da esquizofrenia.

As idéias delirantes de negação de órgãos consistem em crer que não possui mais coração ou que ele parou de bater, que não pode engolir porque não tem mais estômago (apesar de comer normalmente), que os seus órgãos genitais foram arrancados (apesar de os possuir normalmente), que foi submetido a uma operação para mudar de sexo, etc. Também só acontecem na esquizofrenia. Um tipo semelhante ocorre nas depressões psicóticas graves, onde o indivíduo acredita, por exemplo, que o seu coração parou ou que parou de respirar, etc."

Influência dos afetos sobre o Delírio
As idéias delirantes secundárias ou idéias deliróides são idéias que aparecem com o mesmo grau de convicção das idéias delirantes primárias, mas surgem num contexto em que são perfeitamente compreensíveis. Elas são um produto direto das patologias onde acontecem.

Nas manias graves podem surgir idéias delirantes secundárias perfeitamente dentro do contexto expansivo que vive o indivíduo, sendo sempre de grandeza: eles se acreditam os mais inteligentes, mais bonitos, mais fortes do mundo, possuem superpoderes, são deuses ou profetas, etc. A diferença das idéias delirantes primárias é que elas são diretamente derivadas do estado expansivo do humor.

Nas depressões apáticas intensas, psicóticas, não é raro aparecerem delírios de ruína, onde o indivíduo acredita que perdeu tudo, que todos o abandonaram, de nada adiantando todos os tipos de demonstrações de que isso é um erro. Nos casos mais graves, o indivíduo pode inclusive acreditar que já está morto e não entender porque ainda não foi enterrado.

As idéias delirantes secundárias dos estados confusionais são geralmente persecutórias, frouxas, sem grande convicção. Podem surgir também a partir das eventuais alucinoses, como sentir-se perseguido pelos bichos que vê andando pelas paredes, pela casa ou por seu corpo.


_____________________________

Delírio ou Delirium?

Alexandre Biasi Cavalcanti e Letícia Maria Furlanetto têm um artigo sobre esse tema bastante explicativo. Vejamos um trecho:

"Existe muita confusão no uso destes dois termos: delírio x delirium. O primeiro é um sintoma observado principalmente nas esquizofrenias e o segundo é uma categoria diagnóstica da Classificação Internacional de Doenças, a CID-10 (OMS, 1993) e do DSM-IV (Manual Diagnóstico e Estatístico da Associação Psiquiátrica Americana- APA, 1994). A palavra delírio etimologicamente significa "sair dos trilhos" (de: fora; e liros: sulcos). Por definição o conceito de delírio consiste em alteração do juízo de realidade (capacidade de distingüir o falso do verdadeiro) e implica em lucidez da consciência. Ou seja, para que se use o termo "delírio" Jaspers propõe que esta alteração do juízo não seja decorrente de uma perturbação da inteligência nem que seja secundário a um estado de consciência momentaneamente alterado. Quando a alteração de juízo é decorrente de um distúrbio da consciência, chamamos, então, de "delirium".

Para Nobre de Mello, é compreensível esta confusão, já que, além da semelhança entre os dois termos, também há um denominador comum que é a "atividade delirante do pensamento". Este autor explica:

"Pois bem: essa atividade anormal envolve modificações específicas da execução psíquica, que atingem e comprometem à intencionalidade do ato noético e dão origem tanto num como noutro caso, a desordens da apreensão das relações significativas puras, que constituem, em última instância, a base supra-individual do entendimento interhumano".

Em outras palavras, indivíduos acometidos tanto de delirium como de delírio têm alterações do pensamento (ato noético) no que se refere à compreensão do significado dos fatos. Estas alterações terminam por comprometer a interação com outras pessoas."

Em outro trecho os autores dizem:

"... nos pacientes com delírio (principalmente visto na esquizofrenia), ocorre alteração do conteúdo do pensamento, mas não da memória e da atenção. Quando há a alteração da orientação está se dá em decorrência do delírio, sendo mais frequente a "dupla orientação". Assim o paciente informa corretamente o seu nome, idade, endereço, sabe a data e local onde está, mas, ao mesmo tempo, acredita ser "Jesus Cristo" e diz morar em "Jerusalém". Ocorre um distúrbio do juízo crítico não influenciado na sua lógica e coerência por qualquer outra experiência psicológica, não se deixando refutar pelo pensamento lógico. Ao contrário dos pacientes com delirium, os esquizofrênicos relatam uma transformação do mundo, no qual ocorrem novas significações. Em geral, ocorre uma fase inicial que chamamos de humor delirante, quando o paciente começa a perceber esta alteração do mundo. Nobre de Mello cita algumas indagações que estes pacientes freqüentemente fazem nestes períodos: "Há qualquer coisa no ar"... "Essa luz, essa claridade, positivamente não são comuns. Tudo agora está mudado". Gradualmente, vão surgindo novos significados. Para Jaspers, nos esquizofrênicos "não se destrói a crítica. Coloca-se apenas a serviço do delírio. O doente pensa, examina razões e contra-razões assim como o faria se fosse sadio". Nobre de Mello descreve o novo mundo que os esquizofrênicos vivenciam, da seguinte maneira:

"Dir-se-ia que todo o mundo perspectivo circundante do enfermo passa a encher-se de significações ocultas, dantes inexistentes, abrangendo coisas, objetos, animais pessoas, um universo, enfim, de significações novas, que os doentes se esforçam em vão por aclarar. Tudo em torno adquire sentido. Não há evento, por mais banal e rotineiro, que não encerre alguma intenção, que o paciente deseje ardentemente decifrar. Tudo quer dizer alguma coisa. Nada ocorre por acaso
".
veja mais
__________________________

Psicose Atípica; uma percepção delirante
Souza, G.F.J., psiquiatra do Hospital das Clínicas da UFMG relata um caso de Psicose Atípica onde fica claro a idéia de Percepção Delirante. Veja o exemplo:

" ... Tudo lhe parecia distante e nebuloso, carregado de uma atmosfera opressiva e vagamente mágica. Por vezes surgia-lhe na mente, tal qual um relâmpago, a convicção súbita que sua vida corria perigo, que o marido poderia matá-la. Então, era tomada por um pavor intenso e saía de casa desabaladamente sem um destino certo. ...

... Carecia, no entanto, da convicção íntima irrefutável e duradoura, própria dos verdadeiros juízos delirantes, assemelhando-se mais a raios cognitivos ocasionais que, vez por outra, fulguravam no tormentoso céu subjetivo da paciente. Em uma outra ocasião, encontrando-se no interior de uma agência bancária, teve a forte impressão momentânea de que alguns avisos aos correntistas que se encontravam afixados nas paredes referiam-se a ela mesma, que haviam sido ali colocados à guisa de "sinais" para ela, "avisando-a" de algo inefável e incompreensível. Saiu precipitadamente do local e, chegando à rua, reconsiderou, ainda atordoada, que poderia estar enganada, que tal impressão poderia ser fruto do nervosismo e da tensão constante de que era presa nos últimos dias. Contudo, não parou mais de pensar no ocorrido, considerando e reconsiderando ininterruptamente a verossimilhança ou não de sua experiência.

Vê-se, neste exemplo, que falta à vivência anômala descrita um significado delirante específico que sempre é vinculado à percepção íntegra e que possui um caráter de "revelação" quando se trata de autênticas percepções delirantes. " Veja a página toda

_________________________

O filme K-Pax e o Delírio de Grandeza
A respeito do Delírio de Grandeza, Jorge Alberto Salton faz uma descrição primorosa em artigo que analisa o filme K-Pax, no site Comportamento Humano.

"
A Classificação Internacional das Doenças coloca sob a denominação Transtornos Delirantes Persistentes quadros nos quais delírios de longa duração constituem a única ou a mais importante característica clínica e os quais não podem ser classificados como orgânicos, esquizofrênicos ou afetivos.

Uma idéia delirante ou delírio consiste numa falsa crença, não corrigida pela confrontação com a realidade que tende a se expandir no interior do indivíduo e ocupar um espaço muito grande em seu pensamento.

O paciente apresenta um delírio isolado ou vários delírios relacionados entre si que são persistentes e em muitos casos duram toda a vida. Os tipos mais comuns de delírios são os de grandeza e o de perseguição. Mas também podem aparecer outros tipos: de ciúme, a idéia delirante de que os outros pensam que ele cheira mal, que ele é homossexual, que seu corpo é disforme.

Raramente o paciente apresenta alucinações e quando ocorrem são de tipo auditivo e são transitórias.
A doença inicia em geral na meia idade. Há casos que começam no início da idade adulta, particularmente quando a idéia delirante é a de ter um corpo disforme.

O conteúdo do delírio e o momento em que ele surge pode ter relação com situações de vida do indivíduo. Por exemplo, delírios persecutórios em membros de minorias. Pessoas propensas podem encontrar no delírio de grandeza a saída fantasiosa para uma situação grave na vida na qual se percebeu extremamente impotente. Excetuando a idéia delirante o individuo não apresenta, como regra, outro sintoma.
.....................
"... No filme K-Pax (EUA, 2001), dirigido por Iain Softley, o espectador é levado à dúvida entre duas possíveis explicações para os acontecimentos apresentados: realidade ou delírio de grandeza." De fato é essa característica, bem lembrada por Salton que marca os delírios crônicos e persistentes, ou seja, sua fácil credibilidade por parte do ouvinte.
......................
"Prot (interpretado por Kevin Spacey, de Beleza Americana) pode ser um visitante de outro planeta ou alguém que apresenta um Transtorno Delirante Persistente de Tipo Grandioso. O psiquiatra (Jeff Bridges, de Tucker e Arlington Road) entende-o como delirante e procura tratá-lo com medicamentos adequados: tioridazina, haloperidol.

O delírio se mantém, como aliás acontece na maioria dos casos. Iain Softley tenta deixar sua história em cima do muro. Porém, se decidirmos que Kevin Spacey não representa um ET e sim um simples terráqueo, teremos uma aula de psiquiatria. Serão 118 minutos em que -através de um filme baseado num roteiro inteligente e com um ator que fez por merecer dois Oscar - aprenderemos muito sobre como funciona uma pessoa com Transtorno Delirante Persistente de Grandeza
. "
Veja a página citada

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 231 232 233 234 235 236 237 238 239 240 241 242 243 244 245 246 247 248 249 250 251 252 253 254 255 256 257 258 259 260 261 262 263 264 265 266 267 268 269 270 271 272 273 274 275 276 277 278 279 280 281 282 283 284 285 286 287 288 289 290 291 292 293 294 295 296 297 298 299 300 301 302 303 304 305 306 307 308 309 310 311 312 313 314 315 316 317 318 319 320 321 322 323 324 325 326 327 328 329 330 331 332 333 334 335 336 337 338 339 340 341 342 343 344 345 346 347 348 349 350 351 352 353 354 355 356 357 358 359 360 361 362 363 364 365 366 367 368 369 370 371 372 373 374 375 376 377 378 379 380 381 382 383 384 385 386 387 388 389 390 391 392 393 394 395 396 397 398 399 400 401 402 403 404 405 406 407 408 409 410 411 412 413 414 415 416 417 418 419 420 421 422 423 424 425 426 427 428 429 430 431 432 433 434 435 436 437 438 439 440 441 442 443 444 445 446 447 448 449 450 451 452 453 454 455 456 457 458 459 460 461 462 463 464 465 466 467 468 469 470 471 472 473 474 475 476 477 478 479 480 481 482 483 484 485 486 487 488 489 490 491 492 493 494 495 496 497 498 499 500 501 502 503 504 505 506 507 508 509 510 511 512 513 514 515 516 517 518 519 520 521 522 523 524 525 526 527 528 529 530 531 532 533 534 535 536 537 538 539 540 541 542 543 544 545 546 547 548 549 550 551 552 553 554 555 556 557 558 559 560 561 562 563 564 565 566 567 568 569 570 571 572 573 574 575 576 577 578 579 580 581 582 583 584 585 586 587 588 589 590 591 592 593 594 595 596 597 598 599 600 601 602 603 604 605 606 607 608 609 610 611 612 613 614 615 616 617 618 619 620 621 622 623 624 625 626 627 628 629 630 631 632 633 634 635 636 637 638 639 640 641 642 643 644 645 646 647 648 649 650 651 652 653 654 655 656 657 658 659 660 661 662 663 664 665 666 667 668 669 670 671 672 673 674 675 676 677 678 679 680 681 682 683 684 685 686 687 688 689 690 691 692 693 694 695 696 697 698 699 700 701 702 703 704 705 706 707 708 709 710 711 712 713 714 715 716 717 718 719 720 721 722 723 724 725 726 727 728 729 730 731 732 733 734 735 736 737 738 739 740 741 742 743 744 745 746 747 748 749 750 751 752 753 754 755 756 757 758 759 760 761 762 763 764 765 766 767 768 769 770 771 772 773 774 775 776 777 778 779 780 781 782 783 784 785 786 787 788 789 790 791 792 793 794 795 796 797 798 799 800 801 802 803 804 805 806 807 808 809 810 811 812 813 814 815 816 817 818 819 820 821 822 823 824 825 826 827 828 829 830 831 832 833 834 835 836 837 838 839 840 841 842 843 844 845 846 847 848 849 850 851 852 853 854 855 856 857 858 859 860 861 862 863 864 865 866 867 868 869 870 871 872 873 874 875 876 877 878 879 880 881 882 883 884 885 886 887 888 889 890 891 892 893 894 895 896 897 898 899 900 901 902 903 904 905 906 907 908 909 910 911 912 913 914 915 916 917 918 919 920 921 922 923 924 925 926 927 928 929 930 931 932 933 934 935 936 937 938 939 940 941 942 943 944 945 946 947 948 949 950 951 952 953 954 955 956 957 958 959 960 961 962 963 964 965 966 967 968 969 970 971 972 973 974 975 976 977 978 979 980 981 982 983 984 985 986 987 988 989 990 991 992 993 994 995 996 997 998 999 1000 1001 1002 1003 1004 1005 1006 1007 1008 1009 1010 1011 1012 1013 1014 1015 1016 1017 1018 1019 1020 1021 1022 1023 1024 1025 1026 1027 1028 1029 1030 1031 1032 1033 1034 1035 1036 1037 1038 1039 1040 1041 1042 1043 1044 1045 1046 1047 1048 1049 1050 1051 1052 1053 1054 1055 1056 1057 1058 1059 1060 1061 1062 1063 1064 1065 1066 1067 1068 1069 1070 1071 1072 1073 1074 1075 1076 1077 1078 1079 1080 1081 1082 1083 1084 1085 1086 1087 1088 1089 1090 1091 1092 1093 1094 1095 1096 1097 1098 1099 1100 1101 1102 1103 1104 1105 1106 1107 1108 1109 1110 1111 1112 1113 1114 1115 1116 1117 1118 1119 1120 1121 1122 1123 1124 1125 1126 1127 1128 1129 1130 1131 1132 1133 1134 1135 1136 1137 1138 1139 1140 1141 1142 1143 1144 1145 1146 1147 1148 1149 1150 1151 1152 1153 1154 1155 1156 1157 1158 1159 1160 1161 1162 1163 1164 1165 1166 1167 1168 1169 1170 1171 1172 1173 1174 1175 1176 1177 1178 1179 1180 1181 1182 1183 1184 1185 1186 1187 1188 1189 1190 1191 1192 1193 1194 1195 1196 1197 1198 1199 1200 1201 1202 1203 1204 1205 1206 1207 1208 1209 1210 1211 1212 1213 1214 1215 1216 1217 1218 1219 1220 1221 1222 1223 1224 1225 1226 1227 1228 1229 1230 1231 1232 1233 1234 1235 1236 1237 1238 1239 1240 1241 1242 1243 1244 1245 1246 1247 1248 1249 1250 1251 1252 1253 1254 1255 1256 1257 1258 1259 1260 1261 1262 1263 1264 1265 1266 1267 1268 1269 1270 1271 1272 1273 1274 1275 1276 1277 1278 1279 1280 1281 1282 1283 1284 1285 1286 1287 1288 1289 1290 1291 1292 1293 1294 1295 1296 1297 1298 1299 1300 1301 1302 1303 1304 1305 1306 1307 1308 1309 1310 1311 1312 1313 1314 1315 1316 1317 1318 1319 1320 1321 1322 1323 1324 1325 1326 1327 1328 1329 1330 1331 1332 1333 1334 1335 1336 1337 1338 1339 1340 1341 1342 1343 1344 1345 1346 1347 1348 1349 1350 1351 1352 1353 1354 1355 1356 1357 1358 1359 1360 1361 1362 1363 1364 1365 1366 1367 1368 1369 1370 1371 1372 1373 1374 1375 1376 1377 1378 1379 1380 1381 1382 1383 1384 1385 1386 1387 1388 1389 1390 1391 1392 1393 1394 1395 1396 1397 1398 1399 1400 1401 1402 1403 1404 1405 1406 1407 1408 1409 1410 1411 1412 1413 1414 1415 1416 1417 1418 1419 1420 1421 1422 1423 1424 1425 1426 1427 1428 1429 1430 1431 1432 1433 1434 1435 1436 1437 1438 1439 1440 1441 1442 1443 1444 1445 1446 1447 1448 1449 1450 1451 1452 1453 1454 1455 1456 1457 1458 1459 1460 1461 1462 1463 1464 1465 1466 1467 1468 1469 1470 1471 1472 1473 1474 1475 1476 1477 1478 1479 1480 1481 1482 1483 1484 1485 1486 1487 1488 1489 1490 1491 1492 1493 1494 1495 1496 1497 1498 1499 1500 1501 1502 1503 1504 1505 1506 1507 1508 1509 1510 1511 1512 1513 1514 1515 1516 1517 1518 1519 1520 1521 1522 1523 1524 1525 1526 1527 1528 1529 1530 1531 1532 1533 1534 1535 1536 1537 1538 1539 1540 1541 1542 1543 1544 1545 1546 1547 1548 1549 1550 1551 1552 1553 1554 1555 1556 1557 1558 1559 1560 1561 1562 1563 1564 1565 1566 1567 1568 1569 1570 1571 1572 1573 1574 1575 1576 1577 1578 1579 1580 1581 1582 1583 1584 1585 1586 1587 1588 1589 1590 1591 1592 1593 1594 1595 1596 1597 1598 1599 1600 1601 1602 1603 1604 1605 1606 1607 1608 1609 1610 1611 1612 1613 1614 1615 1616 1617 1618 1619 1620 1621 1622 1623 1624 1625 1626 1627 1628 1629 1630 1631 1632 1633 1634 1635 1636 1637 1638 1639 1640 1641 1642 1643 1644 1645 1646 1647 1648 1649 1650 1651 1652 1653 1654 1655 1656 1657 1658 1659 1660 1661 1662 1663 1664 1665 1666 1667 1668 1669 1670 1671 1672 1673 1674 1675 1676 1677 1678 1679 1680 1681 1682 1683 1684 1685 1686 1687 1688 1689 1690 1691 1692 1693 1694 1695 1696 1697 1698 1699 1700 1701 1702 1703 1704 1705 1706 1707 1708 1709 1710 1711 1712 1713 1714 1715 1716 1717 1718 1719 1720 1721 1722 1723 1724 1725 1726 1727 1728 1729 1730 1731 1732 1733 1734 1735 1736 1737 1738 1739 1740 1741 1742 1743 1744 1745 1746 1747 1748 1749 1750 1751 1752 1753 1754 1755 1756 1757 1758 1759 1760 1761 1762 1763 1764 1765 1766 1767 1768 1769 1770 1771 1772 1773 1774 1775 1776 1777 1778 1779 1780 1781 1782 1783 1784 1785 1786 1787 1788 1789 1790 1791 1792 1793 1794 1795 1796 1797 1798 1799 1800 1801 1802 1803 1804 1805 1806 1807 1808 1809 1810 1811 1812 1813 1814 1815 1816 1817 1818 1819 1820 1821 1822 1823 1824 1825 1826 1827 1828 1829 1830 1831 1832 1833 1834 1835 1836 1837 1838 1839 1840 1841 1842 1843 1844 1845 1846 1847 1848 1849 1850 1851 1852 1853 1854 1855 1856 1857 1858 1859 1860 1861 1862 1863 1864 1865 1866 1867 1868 1869 1870 1871 1872 1873 1874 1875 1876 1877 1878 1879 1880 1881 1882 1883 1884 1885 1886 1887 1888 1889 1890 1891 1892 1893 1894 1895 1896 1897 1898 1899 1900 1901 1902 1903 1904 1905 1906 1907 1908 1909 1910 1911 1912 1913 1914 1915 1916 1917 1918 1919 1920 1921 1922 1923 1924 1925 1926 1927 1928 1929 1930 1931 1932 1933 1934 1935 1936 1937 1938 1939 1940 1941 1942 1943 1944 1945 1946 1947 1948 1949 1950 1951 1952 1953 1954 1955 1956 1957 1958 1959 1960 1961 1962 1963 1964 1965 1966 1967 1968 1969 1970 1971 1972 1973 1974 1975 1976 1977 1978 1979 1980 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 2026 2027 2028 2029 2030 2031 2032 2033 2034 2035 2036 2037 2038 2039 2040 2041 2042 2043 2044 2045 2046 2047 2048 2049 2050 2051 2052 2053 2054 2055 2056 2057 2058 2059 2060 2061 2062 2063 2064 2065 2066 2067 2068 2069 2070 2071 2072 2073 2074 2075 2076 2077 2078 2079 2080 2081 2082 2083 2084 2085 2086 2087 2088 2089 2090 2091 2092 2093 2094 2095 2096 2097 2098 2099 2100 2101 2102 2103 2104 2105 2106 2107 2108 2109 2110 2111 2112 2113 2114 2115 2116 2117 2118 2119 2120 2121 2122 2123 2124 2125 2126 2127 2128 2129 2130 2131 2132 2133 2134 2135 2136 2137 2138 2139 2140 2141 2142 2143 2144 2145 2146 2147 2148 2149 2150 2151 2152 2153 2154 2155 2156 2157 2158 2159 2160 2161 2162 2163 2164 2165 2166 2167 2168 2169 2170 2171 2172 2173 2174 2175 2176 2177 2178 2179 2180 2181 2182 2183 2184 2185 2186 2187 2188 2189 2190 2191 2192 2193 2194 2195 2196 2197 2198 2199 2200 2201 2202 2203 2204 2205 2206 2207 2208 2209 2210 2211 2212 2213 2214 2215 2216 2217 2218 2219 2220 2221 2222 2223 2224 2225 2226 2227 2228 2229 2230 2231 2232 2233 2234 2235 2236 2237 2238 2239 2240 2241 2242 2243 2244 2245 2246 2247 2248 2249 2250 2251 2252 2253 2254 2255 2256 2257 2258 2259 2260 2261 2262 2263 2264 2265 2266 2267 2268 2269 2270 2271 2272 2273 2274 2275 2276 2277 2278 2279 2280 2281 2282 2283 2284 2285 2286 2287 2288 2289 2290 2291 2292 2293 2294 2295 2296 2297 2298 2299 2300 2301 2302 2303 2304 2305 2306 2307 2308 2309 2310 2311 2312 2313 2314 2315 2316 2317 2318 2319 2320 2321 2322 2323 2324 2325 2326 2327 2328 2329 2330 2331 2332 2333 2334 2335 2336 2337 2338 2339 2340 2341 2342 2343 2344 2345 2346 2347 2348 2349 2350 2351 2352 2353 2354 2355 2356 2357 2358 2359 2360 2361 2362 2363 2364 2365 2366 2367 2368 2369 2370 2371 2372 2373 2374 2375 2376 2377 2378 2379 2380 2381 2382 2383 2384 2385 2386 2387 2388 2389 2390 2391 2392 2393 2394 2395 2396 2397 2398 2399 2400 2401 2402 2403 2404 2405 2406 2407 2408 2409 2410 2411 2412 2413 2414 2415 2416 2417 2418 2419 2420 2421 2422 2423 2424 2425 2426 2427 2428 2429 2430 2431 2432 2433 2434 2435 2436 2437 2438 2439 2440 2441 2442 2443 2444 2445 2446 2447 2448 2449 2450 2451 2452 2453 2454 2455 2456 2457 2458 2459 2460 2461 2462 2463 2464 2465 2466 2467 2468 2469 2470 2471 2472 2473 2474 2475 2476 2477 2478 2479 2480 2481 2482 2483 2484 2485 2486 2487 2488 2489 2490 2491 2492 2493 2494 2495 2496 2497 2498 2499 2500 2501 2502 2503 2504 2505 2506 2507 2508 2509 2510 2511 2512 2513 2514 2515 2516 2517 2518 2519 2520 2521 2522 2523 2524 2525 2526 2527 2528 2529 2530 2531 2532 2533 2534 2535 2536 2537 2538 2539 2540 2541 2542 2543 2544 2545 2546 2547 2548 2549 2550 2551 2552 2553 2554 2555 2556 2557 2558 2559 2560 2561 2562 2563 2564 2565 2566 2567 2568 2569 2570 2571 2572 2573 2574 2575 2576 2577 2578 2579 2580 2581 2582 2583 2584 2585 2586 2587 2588 2589 2590 2591 2592 2593 2594 2595 2596 2597 2598 2599 2600 2601 2602 2603 2604 2605 2606 2607 2608 2609 2610 2611 2612 2613 2614 2615 2616 2617 2618 2619 2620 2621 2622 2623 2624 2625 2626 2627 2628 2629 2630 2631 2632 2633 2634 2635 2636 2637 2638 2639 2640 2641 2642 2643 2644 2645 2646 2647 2648 2649 2650 2651 2652 2653 2654 2655 2656 2657 2658 2659 2660 2661 2662 2663 2664 2665 2666 2667 2668 2669 2670 2671 2672 2673 2674 2675 2676 2677 2678 2679 2680 2681 2682 2683 2684 2685 2686 2687 2688 2689 2690 2691 2692 2693 2694 2695 2696 2697 2698 2699 2700 2701 2702 2703 2704 2705 2706 2707 2708 2709 2710 2711 2712 2713 2714 2715 2716 2717 2718 2719 2720 2721 2722 2723 2724 2725 2726 2727 2728 2729 2730 2731 2732 2733 2734 2735 2736 2737 2738 2739 2740 2741 2742 2743 2744 2745 2746 2747 2748 2749 2750 2751 2752 2753 2754 2755 2756 2757 2758 2759 2760 2761 2762 2763 2764 2765 2766 2767 2768 2769 2770 2771 2772 2773 2774 2775 2776 2777 2778 2779 2780 2781 2782 2783 2784 2785 2786 2787 2788 2789 2790 2791 2792 2793 2794 2795 2796 2797 2798 2799 2800 2801 2802 2803 2804 2805 2806 2807 2808 2809 2810 2811 2812 2813 2814 2815 2816 2817 2818 2819 2820 2821 2822 2823 2824 2825 2826 2827 2828 2829 2830 2831 2832 2833 2834 2835 2836 2837 2838 2839 2840 2841 2842 2843 2844 2845 2846 2847 2848 2849 2850 2851 2852 2853 2854 2855 2856 2857 2858 2859 2860 2861 2862 2863 2864 2865 2866 2867 2868 2869 2870 2871 2872 2873 2874 2875 2876 2877 2878 2879 2880 2881 2882 2883 2884 2885 2886 2887 2888 2889 2890 2891 2892 2893 2894 2895 2896 2897 2898 2899 2900 2901 2902 2903 2904 2905 2906 2907 2908 2909 2910 2911 2912 2913 2914 2915 2916 2917 2918 2919 2920 2921 2922 2923 2924 2925 2926 2927 2928 2929